Bruno e os suspeitos pelo desaparecimento de Eliza já podem receber visitas

Bruno e os suspeitos pelo desaparecimento de Eliza já podem receber visitas

Suspeitos do desaparecimento de Eliza devem receber familiares.

O goleiro Bruno Fernandes e outros cinco suspeitos no desaparecimento e morte de Eliza Samudio vão poder, a partir desse domingo (1º), receber visitas de parentes. De acordo com a Secretaria de Defesa Social de Minas Gerais (Seds), somente a avó de Bruno, Estela Santana Trigueiro de Souza, 78 anos, e um tio, que não teve o nome revelado, devem ir ao Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Eles se cadastraram para fazer a visitação.

A visita será permitida das 8h às 17h e somente dois parentes poderão ter contato com os presos, independentemente de quantos estiverem cadastrados. O entendimento de quem entra deve ser um consenso entre os próprios familiares. A visita será acompanhada por profissionais das unidades prisionais. Estão presos no Nelson Hungria Luiz Henrique Ferreira Romão – o Macarrão, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos – o Bola, Wemerson Marques de Souza – o Coxinha, e Flávio Caetano de Araújo – o Flavinho. Familiares de Elenilson Vitor da Silva e Dayanne Souza, mulher de Bruno, não fizeram o cadastro para visitá-los.

O período de início da visitação normal, que só começa após os primeiros 30 dias que os presos passam na triagem da penitenciária, será a partir do próximo fim de semana. Mas a Seds concedeu a autorização para que todos os envolvidos no caso do desaparecimento de Eliza Samudio que estão no presídio já recebam visitas a partir deste domingo. De acordo com a assessoria de imprensa, esse é um procedimento padrão do sistema penitenciário de Minas.

Inquérito

O inquérito sobre o caso Eliza foi encerrado na quinta-feira (29) e entregue à Justiça nesta sexta. Mesmo sem a polícia ter encontrado vestígios do corpo de Eliza, nove pessoas foram indiciadas por suspeita de envolvimento na morte da jovem. Todos negam participação no crime.

Ainda de acordo a Seds, estão cadastrados para visitar Macarrão o pai, a mãe, um avô e uma tia. Bola, que, segundo a Polícia Civil executou Eliza Samudio, deverá receber a esposa, o irmão e os três filhos. A avó de Bruno, Estela de Souza, visitou o neto no dia 27 de julho. A presença dela só foi autorizada pelo subsecretário de administração prisional, Genilson Ribeiro Zeferino, por causa da idade avançada – 78 anos.

Fonte: g1, www.g1.com.br