"Eliza está viva e acabando com a minha vida", desabafa Bruno

"Eliza está viva e acabando com a minha vida", desabafa Bruno

Afirmou nesta tarde que a sua ex-amante Eliza Samúdio não foi assassinada

O goleiro Bruno Fernandes de Souza afirmou nesta tarde que a sua ex-amante Eliza Samúdio não foi assassinada. "A Eliza está viva em São Paulo. Ela está acabando com a minha vida e eu estou sofrendo muito por isso", disse o ex-jogador do Flamengo na saída da audiência que apura o desaparecimento de Eliza no Fórum de Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, outro suspeito do desaparecimento, confirmou a versão de Bruno: "Ela falava muito que queria acabar com a vida do Bruno. Ela quis acabar com o Bruno e acabou com a vida de todo mundo. Ninguém matou a Eliza".

A juíza Maria José Starling ouviu na tarde desta terça-feira sete testemunhas arroladas pela defesa, por meio de carta precatória emitida pela juíza do Tribunal do Júri de Contagem, Marixa Fabiane. Bruno e Macarrão falaram rapidamente com a imprensa, na saída da tumultuada audiência. Bruno disse também que não cedeu o material genético para o DNA do suposto filho, mas que vai ceder e, se for pai, vai assumir. "Onde come um, comem dois e comem três", afirmou ele.

Além do goleiro e de Macarrão, participaram da audiência o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola; Elenilson Vitor da Silva; Flávio Caetano de Araujo; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Dayanne de Souza; a amante de Bruno Fernanda de Castro; e Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno. O advogado de Bruno, Ércio Quaresma, não compareceu à audiência porque passou mal. Os porteiros e funcionários do condomínio do goleiro, em Esmeraldas, confirmaram o vai e vem dos acusados no sítio entre os dias 6 e 10 de junho, menos de Fernanda e Bola, que disseram não ter visto.

A juíza dispensou duas das testemunhas convocadas - duas mulheres (uma por ter passado mal e outra por opção dos advogados de defesa). Por volta das 14h30, ocorria o terceiro depoimento da audiência - de um porteiro do sítio de Bruno, em Esmeraldas. Os dois primeiros depoimentos do dia também foram de porteiros da propriedade. As três testemunhas confirmaram o grande movimento dos suspeitos de envolvimento no crime no sítio entre os dias 6 e 10 de junho.

Durante a sessão, Fernanda Gomes de Castro segura um terço e lê uma prece de santinho.

Fonte: Terra, www.terra.com.br