Bruno volta a BH após quase um mês no Rio

Bruno e Macarrão chegaram a Belo Horizonte direto do Rio de Janeiro.

O goleiro Bruno e o amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, chegaram ao Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte, às 15h25 desta quarta-feira (22). Na entrada do instituto, perguntado se ele tinha alguma coisa a dizer, Bruno respondeu "pergunta para o Edson Moreira [delegado]. Ele sabe de tudo", disse.

Os dois chegaram a Belo Horizonte direto do Rio de Janeiro. Fazem a escolta quatro policiais da Delegacia de Homicídios e dois da Polinter, ambos da capital fluminense, além de dois carros de polícia descaracterizados, com dois agentes penitenciários de Minas Gerais em cada um.



De acordo com a Secretaria Estadual de Defesa Social, os dois voltam à Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, ainda nesta quarta-feira. Segundo a Polícia Civil, Bruno e Macarrão serão submetidos a exames de corpo delito antes de serem levados para o presídio.

Ainda de acordo com a Secretaria de Defesa Social, os dois voltam a ficar na mesma cela que estavam antes da transferência para o Rio de Janeiro. Os objetos de cada um foram guardados e agora serão devolvidos.

Segundo a polícia de Minas, um reforço de escolta, coordenado pela Subesecretaria de Administração Prisional de Minas Gerais, vai acompanhar o comboio do Rio de Janeiro até o IML. Os dois viajam em carros separados. No início da manhã, a Polinter, no Rio, havia dito que os dois iriam para Juiz de Fora, na Zona da Mata de Minas, e depois seriam levados até Belo Horizonte por um helicóptero. Mas, segundo coordenador do núcleo de controle de presos da Polinter do Rio, Orlando Zaccone, a polícia mineira pediu que os dois fossem transferidos direto para Belo Horizonte.

Rio de Janeiro

Os dois estavam no Rio desde o dia 26 de agosto, para participarem de audiências sobre o processo que apura acusações de lesão corporal, sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio. Os crimes teriam acontecido em outubro de 2009, no Rio, quando a ex-namorada do jogador registrou queixa na polícia. Eliza está desaparecida desde o dia 4 de junho.

Bruno e Macarrão tiveram a prisão preventiva decretada pelo juiz Marco José Mattos Couto, da 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá, na Zona Oeste. Por determinação judicial, eles saríam de BH para o Rio para as audiências do caso. Eles ficaram presos na penitenciária de Bangu 2.

Entenda o caso

O goleiro Bruno é réu no processo que investiga a morte de Eliza Samudio. A Justiça de Minas Gerais aceitou a denúncia do Ministério Público contra Bruno e outros oito envolvidos no desaparecimento e morte de Eliza. Fernanda Gomes de Castro, namorada de Bruno, foi presa em Minas Gerais.

O goleiro Bruno; Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Sérgio Rosa Sales; Dayanne Souza; Elenilson Vítor da Silva; Flávio Caetano; Wemerson Marques; e Fernanda Gomes de Castro vão responder na Justiça por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver e corrupção de menor. Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, é o único que responderá por dois crimes. Bola foi denunciado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Todos os acusados negam o crime. As penas podem ultrapassar 30 anos.

A pedido do Ministério Público, a Justiça decretou a prisão preventiva de todos os acusados. Com essa medida, eles devem permanecer na cadeia até o fim do julgamento.

Em 2009, Eliza teve um relacionamento com o goleiro Bruno, engravidou e afirmou que o pai de seu filho é o atleta. O bebê nasceu no início de 2010 e, agora, está com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

A polícia mineira começou a investigar o sumiço de Eliza em 24 de junho, depois de receber denúncias de que uma mulher foi agredida e morta perto do sítio de Bruno.

A jovem falou pela última vez com parentes e amigas no início de junho.

O corpo de Eliza não foi encontrado. Mas os delegados consideram a jovem morta. Todos negam envolvimento no caso.

Fonte: g1, www.g1.com.br