Cães de aluguel reforçam segurança em casas na viagem de férias em São Paulo

Cães de aluguel reforçam segurança em casas na viagem de férias em São Paulo

O Canil Leão, instalado na Zona Norte da capital paulista, alugou todos os 25 cães das raças rotweiller e doberman

Antes utilizados apenas em endereços comerciais, cães de aluguel começam a tomar espaço para reforçar a segurança em imóveis residenciais vazios durante a temporada de férias na região metropolitana de São Paulo. A diária de cada animal custa entre R$ 70 e R$ 90.

O Canil Leão, instalado na Zona Norte da capital paulista, alugou todos os 25 cães das raças rotweiller e doberman que tinha à disposição para donos de imóveis que foram viajar neste final de ano.

"No ano passado, primeiro ano que comecei a fazer, foram seis ou sete [cães alugados]. Neste ano, não tem mais", disse o dono do canil, Eugênio Davi Minet. "Alugamos não apenas para residências, mas também para clínicas e escritórios que ficam fechados", disse.

O canil Salles colocou cães adultos das raças rotweiller e pastor alemão para passar o reveillon em 95 residências na Grande São Paulo e no Vale do Paraíba. "A cada ano a procura aumenta mais", afirma o dono dos animais, Adriano Salles.

Negócio ainda relativamente novo, o aluguel de cães para guarda residencial segue as regras da guarda patrimonial. Tratadores usam motos para visitar os cães até duas vezes por dia. Eles trocam a ração e a água, retiram as fezes e limpam o espaço ocupado pelo cão. Os animais ficam trancados dentro do quintal e as empresas colocam cadeados próprios, para evitar que algum parente desavisado se aproxime. Os tratadores não entram na área construída dos imóveis e se limitam ao quintal ocupado pelo cachorro.

Antes da locação, um tratador visita o local onde o cão ficará hospedado para saber se há condições de saúde. Em alguns casos, o cão chega acompanhado pela casinha de cachorro que servirá de abrigo durante a estadia.

Os donos dos canis explicam que os animais, adultos e treinados, ficam exclusivamente na área externa das casas e não costumam oferecer risco contra objetos domésticos, embora rodas de automóveis e botijões de gás eventualmente tenham que ser protegidos contra demarcações de área.

Minet afirma que nunca registrou incidentes: "Eles avançam e se precisar morder, mordem. Serve para convencer o criminoso a procurar alvo mais fácil", diz Minet. "Uso mais os rotweiller que são mais silenciosos para não incomodar os vizinhos. Digo sempre que o cachorro sozinho não vai eliminar o problema. Para residência, precisamos do cão e do alarme, com monitoramento externo", afirmou.

Aluguel de cães para imóveis é apenas uma das novas tendências. O dono do canil Leão, já começa a alugar rotweiller para acompanhar entrega de mercadorias em vans. "Ele faz entrega lá para o lado da 25 de março e era assaltado com frequência. Depois do cachorro, ninguém se aproxima, porque ele late e até balança o carro", afirmou.

O dono do Canil Salles também testa um novo serviço: o tratamento a domicílio para cães de grande porte cujos donos estão em viagem. Neste caso, a diária custa até R$ 70 e há pelo menos 25 clientes na fila. Ele explica que o negócio prospera porque os hotéis para cães estão lotados. "As pessoas compram cachorros em ritmo maior do que a construção de hospedagens", diz ele.

Fonte: g1, www.g1.com.br