Caso Eliza: Justiça libera busca em casa onde estaria corpo da ex do goleiro Bruno

As equipes chegaram ao local orientadas pelo menor que prestou depoimento

A Justiça de Minas Gerais emitiu, no início da tarde desta quarta-feira (7), um mandado de busca na casa em que estaria o corpo de Eliza Samudio, em Vespasiano (MG). De acordo com o Tribunal de Justiça mineiro, o pedido do mandado foi feito pela polícia e levado aos agentes que estão no local.

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, as equipes chegaram ao local orientadas pelo menor que prestou depoimento, na terça-feira (6), no Rio de Janeiro. Ele foi levado para Minas Gerais e acompanha os agentes.

Os policiais se preaparam para entrar no imóvel. Além de policiais civis e militares, bombeiros especializados em escavações estão no local.

A rua foi isolada. Curiosos já se aglomeraram perto da barreira policial.

Segundo os vizinhos, a casa pertence a um ex-policial afastado por mau comportamento, que tem três filhos. Os moradores da região dizem que o imóvel abriga cães bravos. No portão, há uma placa de alerta sobre os cachorros.

Um técnico do departamento de zoonoses de Vespasiano foi até o local e disse que os cães serão recolhidos. Os animais devem ser levados para Belo Horizonte.

A casa fica perto da lagoa onde bombeiros realizaram buscas no início desta semana. A polícia havia recebido uma denúncia de que o corpo de Eliza foi jogado na lagoa.

Eliza Samudio está desaparecida há quase um mês. Ela teve um relacionamento com o goleiro Bruno, do Flamengo, no ano passado, e brigava, na Justiça, pelo reconhecimento da paternidade do filho de 4 meses, que seria do jogador. O atleta é suspeito de envolvimento no sumiço de Eliza.

Nesta quarta, a Justiça do Rio decretou a prisão de Bruno e de um amigo dele, Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão. Em referência ao mesmo caso, a Justiça de Minas Gerais expediu sete mandados de prisão e um mandado de internação provisória. O nome de Macarrão está nesta lista. Cinco pessoas foram presas. Bruno e Macarrão são considerados foragidos, segundo a polícia.

Um dos advogados do atleta, Michel Assef Filho, já afirmou que vai entrar com pedido de habeas corpus.

Além de Macarrão, o advogado Firpe representa Dayane Souza, mulher de Bruno, e outras duas pessoas que foram alvos de mandados de prisão. Dayane foi presa em casa, em Belo Horizonte.

Depoimento no Rio

As prisões foram decretadas depois do depoimento de um menor, no Rio de Janeiro. De acordo com um inspetor da Divisão de Homicídios, o adolescente confirmou que a jovem está morta. Ele, no entanto, não teria dito como isso aconteceu.

No mesmo depoimento, o menor teria dito que participou do sequestro de Eliza. Segundo a polícia, o menor disse que entrou em um carro, com Macarrão, e acabou agredindo Eliza com uma coronhada na cabeça. A arma usada na agressão seria uma pistola e pertenceria a Macarrão. Os dois teriam levado a jovem para Minas Gerais. Firpe negou envolvimento de Macarrão.

Duas delegadas de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Alessandra Wilke e Ana Maria Santos, estão no Rio acompanhando as buscas pelos foragidos.

Entenda o caso

De acordo com a polícia, o sumiço de Eliza Samudio começou a ser investigado depois de denúncias de que ela havia sido agredida no sítio que pertence ao jogador Bruno, em Esmeraldas (MG).

Em 28 de junho, a polícia vasculhou o sítio do goleiro Bruno, por mais de nove horas. Policiais e peritos fizeram escavações e vistoriaram o sótão, onde encontraram roupas de mulher, objetos de criança, fraldas e passagens aéreas. Um poço também foi vasculhado. A polícia já ouviu funcionários do sítio de Bruno e amigas de Eliza.

Nesta quarta-feira (7), a mãe de Eliza Samudio, Sônia de Fátima Moura, acompanhada de sua advogada Maria Lúcia Borges Gomes, colheu material genético no Instituto de Criminalística da Polícia Civil, em Belo Horizonte. Segundo a polícia, o material será comparado a vestígios de sangue encontrados no carro do goleiro Bruno. O veículo do jogador foi apreendido em uma blitz, no início do mês de junho, por problemas com a documentação.

Em 5 de julho, a polícia recebeu denúncia de que o corpo da jovem foi jogada em uma lagoa, em Ribeirão das Neves (MG). Bombeiros realizaram buscas, mas nada foi encontrado.

O Flamengo anunciou que o goleiro permanece afastado do time durante as investigações. Em 1º de julho, ele disse que estava "muito chateado" com o sumiço de Eliza. O atleta ainda não foi chamado para depor.

Fonte: g1, www.g1.com.br