Caso Isabella completa 8 anos e defesa do casal quer anular júri

Isabella tinha 5 anos de idade quando foi encontrada morta

O caso Isabella completa oito anos nesta terça-feira (29) sem um desfecho. Isso porque a defesa do casal Nardoni ainda aguarda a Justiça julgar um último recurso que pede a anulação do júri que condenou o pai e a madrasta da menina pelo assassinato dela.

Além disso, a Polícia Civil abriu recentemente um novo inquérito para apurar se o avô paterno da criança também teve participação no crime.

Isabella tinha 5 anos de idade quando foi encontrada morta no jardim do Edifício London, na Zona Norte da capital, na noite de 29 de março de 2008. Para a acusação, a madrasta asfixiou a criança, após discutir com ela, e o pai a jogou da janela do sexto andar do prédio.

Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá sempre negaram o homicídio. Sustentavam que um invasor, que nunca foi identificado, matou a menina.

Edifício London, onde Isabella foi lançada pela janela do sexto andar (Crédito: Arquivo Pessoal )
Edifício London, onde Isabella foi jogada pela janela do 6º andar (Crédito: Divulgação)


O advogado Roberto Podval, que defende o casal, afirmou que aguarda o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar o pedido para que seus clientes tenham um novo julgamento.

“A defesa aguarda o julgamento do Supremo, que vai decidir sobre a nulidade do processo, haja visto que o casal já foi condenado pela mídia e opinião pública antes mesmo de ter sido julgado.

Nos Estados Unidos, isso já caberia um novo júri”, disse Podval na segunda-feira (28).

“A defesa também pediu a rediscussão do tempo da pena. Espero que os pedidos sejam julgados até o fim deste ano”.

Em março de 2010, a Justiça de São Paulo condenou o casal Nardoni à prisão pela morte de Isabella. Alexandre recebeu pena que foi reduzida para 30 anos, 2 meses e 20 dias, e Anna Carolina, a 26 anos e 8 meses. Os dois estão detidos em Tremembé, interior do estado.

Isabella Nardoni  (Crédito: Arquivo Pessoal )
Isabella Nardoni (Crédito: Arquivo Pessoal )


NOVO LAUDO

A defesa quer a anulação do júri para poder solicitar à Justiça a inclusão de um parecer técnico e de uma animação feitos em 2013 pelo perito norte-americano James Hahn, diretor do Instituto de Engenharia Biomédica da Universidade George Washington.

O documento apontou que as marcas no pescoço de Isabella "não são de mãos humanas". Desse modo, a perícia concluiu que elas não poderiam ter sido causadas nem pela madrasta nem pelo pai de Isabella.

O estudo foi encomendado por Roberto e pela advogada e perita Roselle Sóglio. O "laudo particular" de 65 páginas analisou o trabalho da polícia, do Ministério Público (MP) e da Superintendência da Política Técnico-Científica Instituto de Criminalística (SPTC) de São Paulo – que sustentaram que a esganadura teria sido um dos fatores determinantes na morte de Isabella, junto com o fato de ela ter sido jogada pela janela.

Para a realização do novo laudo foram usadas fotos e até mesmo moldes feitos das mãos de Alexandre e Anna Carolina. Com base neles foi considerado o papel de cada dedo no processo de esganadura, no tipo de força necessária e nos movimentos que teriam sido exercidos.

Os advogados do casal disseram que o novo laudo reforça a tese da defesa de que as provas seriam insuficientes para condenar os Nardoni. Isso porque o perito informou que pela falta de marcas de polegares na frente do pescoço, a menina não foi esganada por mãos e dedos humanos. O relatório não apontou o que poderia ter provocado os ferimentos.

Para os advogados de defesa, a suspeita é de que os machucados no pescoço seriam consequências da queda de Isabella do 6º andar.

“O laudo é claro em informar que as lesões não foram provocadas nem pelas mãos de Anna nem de Alexandre e muito menos por qualquer coisa que se assemelhe a mãos. Não é uma mão”, afirmou Roselle à equipe de reportagem, na segunda-feira.

A advogada ainda criticou o laudo oficial da SPTC. “Foi o maior erro do judiciário brasileiro”.

A perita aposentada Rosangêla Monteiro, que foi responsável por coordenar os laudos produzidos pela Superintendência da Polícia Técnico-Científica rebateu às críticas da defesa do casal.

"As lesões são compatíveis com esganadura, asfixia por mãos. Às vezes nós encontramos três, dois dedos. Uma imagem vale mais do que mil palavras, tanto é que o casal está preso", disse Rosângela. "Uma asfixia não se caracteriza só por marcar externas, mas internas também".

Casal foi condenado pela morte da menina  (Crédito: Divulgação)
Casal foi condenado pela morte da menina (Crédito: Divulgação)


Fonte: G1