"Desesperada por respostas", diz mãe sobre investigações do caso Tayná

"Desesperada por respostas", diz mãe sobre investigações do caso Tayná

Garota de 14 anos foi assassinada em Colombo, no Paraná, em junho do ano passado

Há quase sete meses, a mãe da menina Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, morta em junho do ano passado, busca respostas para o crime. Cleusa Cadoná conversou com o R7 e disse estar no ?limite? da paciência porque o inquérito não é concluído.

? Quem fez o que fez com a minha filha está em liberdade e ela nunca mais voltará. Tenho vontade de ir todos os dias tirar satisfação na delegacia, mas não posso atrapalhar as investigações. Estou cansada. Preciso que o Estado dê uma resposta.

Cleusa afirmou que ainda não se convenceu de que os quatro funcionários presos inicialmente não têm nenhuma participação.

? Havia evidências de que eles participaram, por isso foram presos, mas depois a Comissão dos Direitos Humanos entrou na coisa e eles foram soltos. O caso teve tanta mentira, que eu percebo um medo da verdade agora. Ninguém mais quer arriscar a cabeça.

O caso, que sofreu uma reviravolta após denúncias de torturas policiais para que quatro jovens confessassem o crime, e que resultou no afastamento de 16 policiais. Os suspeitos foram soltos após a divulgação de um exame que comprovou que o sêmen encontrado no corpo de Tayná não pertencia a nenhum deles. Os militares detidos também foram liberados.

A reportagem tentou contato com o delegado que cuida atualmente do caso, o quarto, mas não conseguiu. A Polícia Civil afirmou que pediu mais de quatro vezes o aumento do prazo para concluir o inquérito porque ainda não conseguiu chegar até o verdadeiro assassino.

Fonte: r7