Caso Yoki: babá diz que Elize Matsunaga comprou serra elétrica

Executivo pode ter sido morto com serra elétrica

A polícia de São Paulo investiga se Elize Matsunaga, acusada pela morte do marido, o empresário Marcos Kitano Matsunaga, comprou e usou uma serra elétrica para esquartejar o corpo da vítima. Em novo depoimento à polícia, uma das babás da filha do casal afirmou que Elize comprou uma serra elétrica portátil no dia 19 de maio, quando Marcos foi morto e esquartejado. A serra elétrica foi adquirida em Cascavel, no oeste do Paraná, pouco antes de Elize, a filha e a babá retornarem para São Paulo. A babá Mauriceia José Gonçalves dos Santos, 42 anos, contou que as três passaram alguns dias em Chopinzinho (PR) e, antes de irem ao aeroporto em Cascavel para pegar o voo de volta para São Paulo, Elize parou em uma loja para comprar o aparelho.

A babá contou à polícia que retirou a serra elétrica de uma das malas da viagem já no apartamento do casal. Naquele dia, Elize dispensou Mauriceia, que foi embora, e disse que ela mesma guardaria as roupas e o aparelho. Para o advogado da família de Marcos, Luiz Flávio Borges D"Urso, a nova informação afasta a versão da defesa, segundo a qual Elize matou e esquartejou o marido durante violenta emoção, condição que poderia levar a diminuição da pena. Para a acusação, Elize já pensava em esquartejar o corpo do marido. "Tudo leva a crer que a serra tenha sido usada para o esquartejamento", disse. O aparelho comprado durante a viagem não foi encontrado no apartamento do casal. Questionada sobre o motivo de não ter dito isso em seu primeiro depoimento, a babá disse que estava com receio. De acordo com D"Urso, Mauriceia apenas se sentiu segura para falar sobre a compra da serra há dois dias. O advogado de Elize, Luciano Santoro, afirmou a perícia apurou que os cortes no corpo de Matsunaga não eram compatíveis com a ferramenta.

Fonte: Terra