Celular salva médico de tiro após briga em ônibus no Rio

Suspeito vai responder por três tentativas de homicídio, segundo polícia.


Celular salva médico de tiro após briga em ônibus no Rio

Um médico escapou da morte após um tiro atingir o celular que ele carregava no bolso da camisa, nesta quarta-feira (18), no Centro do Rio de Janeiro. Ele é uma das três vítimas baleadas após uma discussão em um ônibus. "Ele só não foi a óbito porque um dos tiros, que iria em direção ao coração, pegou no celular, desviando a trajetória da bala", afirmou o delegado da 1ª DP (Praça Mauá) José Afonso Mota, responsável pelas investigações do caso.

Ainda de acordo com o delegado, o acusado de ser autor dos disparos, José Araújo Gouveia, vai responder por três tentativas de homicídio, sendo duas por erro de execução. Se for condenado, o acusado pode pegar de 12 anos a 20 anos de prisão.

Segundo o delegado, o suspeito tem três passagens pela polícia: maus-tratos, furto qualificado e homicídio culposo.

Policiais do Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (BPTur), que passavam pela região da Praça XV nesta manhã, foram acionados durante o corre-corre. Segundo o comandante do BPTur, coronel Cândido Silva, a confusão teria começado após o motorista ter cantado a namorada do passageiro no ônibus. Houve discussão e o passageiro teria atirado.

O delegado informou que o acusado disse que desceu normalmente do ônibus na Praça XV e o motorista teria ido atrás dele para tirar satisfação. Eles começaram a discutir e o acusado sacou a arma, acertando dois pedestres e o motorista do ônibus.

Fonte: G1