Começa júri popular sobre o caso PC Farias; mistério sobre morte persiste 17 anos após crime

Começa júri popular sobre o caso PC Farias; mistério sobre morte persiste 17 anos após crime

Empresário e a namorada foram encontrados mortos em junho de 1996

Laudos divergentes podem dividir os jurados do júri popular de quatro policiais acusados de coautoria do duplo homicídio do empresário Paulo César Farias, o PC Farias, e da namorada, Suzana Marcolino, que começa nesta segunda-feira (6) em Maceió. O crime ocorreu em 23 de junho de 1996 em uma casa de praia em Guaxuma, Alagoas, onde o casal foi encontrado morto.

Lacunas na investigação não impedem júri popular, dizem especialistas

Enfrentam o banco dos réus no Tribunal do Júri do Fórum de Maceió os seguranças Adeildo Costa dos Santos, Reinaldo Correia de Lima Filho, Josemar Faustino dos Santos e José Geraldo da Silva. O júri popular será presidido pelo juiz Maurício Breda e deve durar cinco dias.

PC Farias foi tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor de Mello em 1989 e, à época do assassinato, respondia em liberdade condicional a diversos processos, entre eles sonegação fiscal, falsidade ideológica e enriquecimento ilícito.

Durante o julgamento, serão apresentadas aos jurados as provas presente no processo, desde as conclusões do inquérito até os testemunhos que serão dados na hora do julgamento. Os jurados terão acesso a informações sobre os dois laudos apresentados.

Fonte: G1