Comerciantes investem em segurança na zona Sudeste de Teresina

Comerciantes investem em segurança na zona Sudeste de Teresina

Para evitar assaltos, comerciantes do Dirceu instalam câmaras de monitoramento e contratam seguranças. Mais da metade das lojas da avenida principal do bairro possui o sistema

Em resposta ao medo e à insegurança, os comerciantes do Bairro Dirceu, zona Sudeste de Teresina, estão investindo em serviço de segurança e, principalmente, câmaras de monitoramento interno e externo. O objetivo é evitar e combater infortúnios como assaltos, arrombamentos e furtos a partir das imagens feitas pelas câmaras, que também funcionam para auxiliar o trabalho de investigação das polícias.

O uso de câmaras de segurança na região é tão grande que mais da metade das lojas da Avenida Principal do bairro Dirceu possui o sistema. De óticas a padarias, as câmaras são amplamente utilizadas não só para fiscalização, mas também para impor respeito, principalmente com o uso das famosas plaquinhas que dizem “sorria, você está sendo filmado”.

João Paulo Brito, dono de uma loja de produtos eletrônicos, instalou o sistema de câmaras assim que inaugurou sua loja, localizada na Avenida Principal. O investimento para a instalação das seis câmaras mais o sistema de gravação on-line custou quase R$ 3 mil, e ele acredita que é um bom paliativo, embora não tenha evitado o assalto que realizaram em sua loja no início do ano de 2012: “Entraram aqui quatro pessoas, anunciaram o assalto e roubaram algumas coisas da loja. Mas um deles se tocou que tinha câmara, e decidiu ir embora. No mesmo dia recuperei a mercadoria roubada, pois a imagem identificou os bandidos, que já eram conhecidos daqui da região”, conta o comerciante.

Mais à frente, em um ótica, o gerente Lino Neto conta que o estabelecimento nunca sofreu assaltos, e ele deve isso aos investimentos da empresa na questão da segurança da loja: “As câmaras foram instaladas desde que inauguramos a loja, pois existe uma preocupação com a segurança. Realmente o Dirceu é um pouco mais arriscado, por isso também investimos em vigilantes que ficam fora da loja”, explica.

Câmeras não inibem assaltos

Para Abreu Neto, gerente de uma loja de fotografia, não só as câmaras configuram segurança nos dias de hoje, pois muitos bandidos agem, como ele mesmo diz, “na cara limpa”.

Embora a loja em que trabalha tenha um amplo sistema de circuito interno de monitoramento desde a inauguração, o estabelecimento já foi palco da ação de bandidos, que na ocasião levaram celulares e câmaras, somando um prejuízo de mais de R$ 2 mil, onde nada foi recuperado.

Após o assalto, somente as imagens das câmaras não adiantaram: “É claro que as câmaras inibem a ação deles, mas nem sempre. No assalto que teve aqui os policiais não lograram êxito na captura dos criminosos, mesmo com as imagens. É preciso também ter homens fazendo a segurança”, relata o gerente Abreu Neto.

Apreensão de armas diminuiu a ação de criminosos

Segundo o tenente-coronel Alencar, comandante do 8º Batalhão da Polícia Militar que dá cobertura a toda a região Sudeste, o trabalho dos homens de seu efetivo tem se mostrado eficaz, pois houve uma diminuição no número de ocorrências. Ele deve isso ao número de apreensões de armas na região, que contribui diretamente na redução no número de crimes. Somente nos últimos dois meses foram capturadas 20 armas de fogo. “Para cada arma apreendida, evitamos vários delitos”, pontua o tenente-coronel.

Porém, infelizmente, ele reconhece as dificuldades de diminuir a zero os assaltos e crimes que acontecem na região: “Essa reclamação sempre vai existir, pois o ideal é que não houvessem ocorrências. É o que todos nós queremos. Mas é praticamente impossível, a não ser que tivéssemos uma viatura por pessoa na área. Geralmente atuamos com seis guarnições, fora outras unidades que nos apoiam. Depende do dia e do tipo de evento que está tendo na região”, conclui o tenente-coronel Alencar.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Lucrécio Arrais