Chefe do tráfico do RJ, Polegar, é encontrado e preso no Paraguai

Chefe do tráfico do RJ, Polegar, é encontrado e preso no Paraguai

Um dos acusados de tráfico de drogas mais procurados pela polícia no Rio de Janeiro foi preso nesta quarta-feira (19) no Paraguai

Um dos acusados de tráfico de drogas mais procurados pela polícia no Rio de Janeiro foi preso nesta quarta-feira (19) no Paraguai. Alexander Mendes da Silva, conhecido como Polegar, é apontado como chefe do tráfico de drogas no Morro da Mangueira.

Em junho, policiais fizeram uma megaoperação na Mangueira para a instalação da 18ª Unidade de Polícia Pacificadora da cidade. A UPP ainda não foi inaugurada, mas vai beneficiar 315 mil pessoas diretamente e cerca de 1,5 milhão indiretamente. A data da inauguração ainda não foi informada.

Polegar é considerado um dos quatro mais importantes chefes do tráfico do RJ que estava foragido. O acusado estava no Conjunto de Favelas do Alemão durante operação de retomada do morro, em dezembro de 2010, mas fugiu.

Condenado a 22 anos por tráfico e associação para o tráfico, Polegar obteve o benefício para o regime aberto após cumprir um sexto da pena na Casa do Albergado Crispim Ventino, em Benfica, na Zona Norte da cidade. Ele deixou o presídio no dia 14 de setembro de 2009 pela porta da frente e não voltou mais.

A prisão foi feita pela Polícia Federal. Ele estava comprando um carro de luxo na fronteira do Paraguai, na cidade Pedro Juan Caballero, quando foi capturado. Ele foi preso por apresentar documentos falsos, por policiais paraguaios. Polegar permanece na carceragem em Pedro Juan Caballero. Ele será levado para o Brasil, onde será identificado oficialmente. Aos policiais, Alexander já confessou ser o Polegar.

Recompensa

O Disque-Denúncia oferecia R$ 2 mil de recompensa por informações que ajudassem a prender Polegar. Segundo o Disque-Denúncia, Polegar comandou, em 2001, um ataque à Polinter que resultou na fuga de 14 presos.

Ainda de acordo com o Disque-Denúncia, após a fuga da prisão, ele se refugiou no Alemão, onde recebeu vários pontos de drogas para comandar. Polegar foi denunciado pelo Ministério Público do Rio pelos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas.

A denúncia relata a forma com que Polegar agiu, a partir de 2003, para ocultar da Justiça o lucro obtido por ele como chefe do tráfico no Morro da Mangueira. O Disque-Denúncia informa que Polegar foi condenado à prisão por quatro varas criminais por crimes cometidos entre 1994 e 2002.

A Justiça decretou a indisponibilidade de cinco imóveis do traficante, inclusive o tríplex na cidade de Cabo Frio, na Região dos Lagos. Corretores da região avaliaram o imóvel, que tem três suítes decoradas e salão, em cerca de R$ 400 mil. Os outros imóveis do traficante foram localizados no Leblon, na Zona Sul do Rio, na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá, na Zona Oeste, e em Niterói, na Região Metropolitana da cidade.

Fonte: g1, www.g1.com.br