Consumo de droga por adolescentes também é alto em São Luís, capital do Maranhão

O dado coloca São Luís em 9º lugar entre as capitais brasileiras com maiores índices

Um percentual de 9,3% de estudantes de 13 a 15 anos de idade em São Luís já usou drogas ilícitas como maconha, cocaína, crack, cola, loló, lança-perfume e ecstasy. Esse é um dos números que revela a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com alunos do 9º ano (antiga 8ª série) do Ensino Fundamental.

O dado coloca São Luís em 9º lugar entre as capitais brasileiras com maiores índices. O percentual mais preocupante foi encontrado em Curitiba, com 13,2%, e o menor, em Macapá, com 5,3%. A pesquisa foi feita em municípios das capitais brasileiras e no Distrito Federal, por meio de convênio firmado com o Ministério da Saúde.

A Pense revelou que 30,5% dos alunos entrevistados já tiveram relação sexual e desse total 24% não havia usado preservativo na última relação. A menor freqüência de uso preservativo foi observada em São Luís, com 68,3%, e a maior em Rio Branco, com 82,1%.

Um dos objetivos da pesquisa é o de ampliar o conhecimento acerca das características de saúde da população adolescente brasileira. E, considerando todas as capitais pesquisadas, constatou-se que a freqüência dos estudantes que viviam sem a presença da mãe e do pai na residência foi de 5,2% para o conjunto das capitais, sendo a maior porcentagem em São Luís com 10,5% e a menor em Belo Horizonte, com 3,5%.

A pesquisa segue as normas e as diretrizes utilizadas em âmbito internacional e nacional para levantamentos envolvendo sujeitos humanos, em particular adolescentes, para conhecer e dimensionar os diversos fatores de risco e de proteção à saúde desse grupo. Para tanto, foi utilizado como referência para seleção da amostra o cadastro das escolas públicas e privadas listadas no Censo Escolar 2007, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, do Ministério da Educação (INEP/MEC).

Hábitos - Para traçar um perfil dos hábitos e costumes dos estudantes nas capitais brasileiras, o IBGE também investigou que mais da metade dos estudantes são inativos ou insuficientemente ativos no que se refere à prática de atividade física. Os maiores percentuais de estudantes inativos ou insuficientemente ativos ocorreram em São Luís, com 65,8%, e Maceió com, 64,5%. Já os menores percentuais foram constatados em Florianópolis, com 48,5%, e Curitiba com 49,0%.

Para traçar um perfil do consumo de alimentos ingeridos pelos estudantes, a pesquisa identificou que 37,2% dos alunos bebem refrigerantes em cinco ou mais dias na semana anterior à investigação ? na capital maranhense, o percentual foi de 25,3%. Em todas as capitais e Distrito Federal, o consumo de guloseimas, no total de 50,9%, superou o de frutas frescas, que foi de 31,5%, e o mesmo ocorreu com o consumo de refrigerante. A ingestão de guloseimas em cinco dias ou mais da semana anterior à pesquisa foi maior entre os estudantes do sexo feminino com 58,3% do que entre os de sexo masculino com 42,6%.

Fonte: Imirante, www.imirante.com.br