Corintiana suspeita de desviar dinheiro de empresa é demitida

Há cerca de 10 dias, Vivian saiu para uma reunião externa e não voltou mais

Suspeita de desviar dinheiro da empresa onde trabalhava em São Paulo, Vivian Spina Fajardo, 33 anos, foi demitida por justa causa do emprego. O advogado da companhia, João Marcelo Bijarta Ferraioli, disse nesta terça-feira que, como a funcionária ainda se encontra desaparecida, a decisão foi comunicada aos órgãos competentes. Será solicitado o bloqueio dos bens da executiva.

Há cerca de 10 dias, Vivian saiu para uma reunião externa e não voltou mais. Os policiais da 49º Distrito Policial, onde foi registrado o desaparecimento, chegaram a cogitar que se tratava de um sequestro, mas as investigações descartaram a hipótese.

Considerada corintiana fanática, há a suspeita de que Vivian tenha ido à capital argentina para assistir à partida Boca Juniors e Corinthians pela Copa Libertadores da América. A polícia descobriu que ela havia comprado uma passagem aérea para Buenos Aires, para onde embarcou no dia 21.

"Foram os colegas de trabalho que levantaram essa hipótese. Dias antes, ela havia dito que não perderia esse jogo por nada. Pode ser apenas coincidência, mas isso é só ela quem pode falar", explica o delegado José Manoel Martins.

O advogado da empresa conta que, no dia do sumiço, Vivian havia sido convocada para uma reunião para dar explicações sobre irregularidades constatadas na conta bancária da presidência. Documentos, como extratos, com as movimentações financeiras feitas por ela no trabalho não foram encontrados.

Considerada funcionária exemplar, a analista havia sido promovida quatro vezes em três anos e o cargo de confiança lhe garantia total acesso às contas da firma. Depois do desaparecimento, uma auditoria mostrou que Vivian teria desviado R$ 150 mil em pequenas quantidades da conta da presidência, nos últimos dois anos.

O delegado acredita que a analista já tenha retornado ao Brasil e deverá se apresentar à polícia até a quinta-feira. Caso contrário, será pedida a prisão preventiva da suspeita.

Fonte: Terra