Corintianos são libertados na Bolívia após 5 meses presos, diz Itamaraty

Torcedores estavam presos desde fevereiro após morte de jovem em jogo. Brasileiros devem retornar ainda neste fim de semana, segundo Itamaraty.

Os cinco corintianos que permaneciam presos na cidade de Oruro, na Bolívia, foram libertados por volta de 18h30 no horário local (19h30 em Brasília) desta sexta-feira (2), informou o Ministério das Relações Exteriores. De acordo com o Ministério da Justiça, os torcedores retornam no sábado ao Brasil e devem chegar em Guarulhos às 13h.

Eles foram presos no dia 20 de fevereiro com outros sete torcedores, soltos em junho, sob suspeita de causarem a morte do adolescente Kevin Espada, de 14 anos, no jogo entre Corinthians e San José pela Libertadores.

A decisão judicial para libertar os corintianos foi emitida nesta sexta, com a rejeição de recurso da família de Spada e do clube San José contra a libertação dos brasileiros. Na semana passada, o Ministério Público da Bolívia concluiu que não havia provas contra os brasileiros. Kevin estava na arquibancada e morreu após ser atingido pelo disparo de um sinalizador.

A decisão é fruto de um acordo firmado pelo Ministério da Justiça com a defesa dos torcedores e a Justiça boliviana para liberar os corintianos. O time brasileiro ofereceu o pagamento de US$ 50 mil à família do garoto como indenização. A negociação foi viabilizada pela Defensoria Pública da União e pelo Ministério Público do Distrito de Oruro.

No último dia 24, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou que os cinco corintianos que permanecem presos deveriam ser libertados nas horas seguintes, o que acabou não acontecendo, por causa do prazo para recursos.

Em 9 de junho, desembarcaram em São Paulo os outros sete corintianos que também estavam presos no país vizinhoem razão da morte do adolescente boliviano durante a partida de futebol.

"Preocupação"

Em nota, o Itamaraty disse que desde a prisão, a presidente Dilma Rousseff "preocupação com a situação dos brasileiros" ao presidente da Bolívia, Evo Morales.

"Os ministros das Relações Exteriores e da Justiça tomaram providências imediatas para garantir a dignidade dos brasileiros detidos e o respeito a todos os seus direitos. Também foi oferecida ao governo boliviano cooperação jurídica para auxiliar no esclarecimento do episódio que levou à morte do jovem boliviano Kevin Espada", diz o comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores também disse que a Embaixada do Brasil em La Paz "prestou toda assistência consular e jurídica a esses brasileiros, com empenho em assegurar o respeito aos seus direitos, inclusive no que se refere à garantia de condições minimamente dignas de detenção e ao adequado seguimento dos trâmites legais pertinentes".

"Essa assistência jurídica foi prestada a partir do momento em que o Governo brasileiro foi informado da detenção. A Embaixada em La Paz manteve contato constante com as autoridades bolivianas para tentar obter uma solução satisfatória para a questão. Diplomatas da Embaixada do Brasil em La Paz ? inclusive o Embaixador ? fizeram visitas regulares aos detidos, algumas das quais em companhia de parlamentares e outras autoridades brasileiras".

PUBLICIDADE

Fonte: G1