Cresce o número de jovens envolvidos no crime em THE, diz dados da Rone

Influenciados por traficantes e líderes de gangue, eles estão aprendendo o caminho da criminalidade desde cedo

A presença de adolescentes na criminalidade é uma realidade que se torna a cada dia mais assustadora. Se antes a presença deles era rara, hoje ela é mais comum do que se imagina. Segundo dados das Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), das ocorrências atendidas pelos policiais da corporação, 60% têm a presença de pelo menos um adolescente.

O capitão da Rone, Fábio Abreu, explica que além de estar crescendo o número de adolescentes praticando crimes, eles estão entrando na criminalidade cada vez mais cedo. Se antes quase totalidade deles tinha mais de 15 ou 16 anos, hoje é muito comum serem encontrados jovens com idade de 13 e 14 anos. ?Nós temos percebido que esse aumento de adolescentes praticando crimes em Teresina vem acontecendo nos últimos três ou quatro anos?, disse.

Na semana passada, um grupo de quatro adolescentes sequestrou uma mulher na saída de uma academia. Um deles tem 13 anos de idade e os demais têm 17 anos. Durante a ação houve inclusive troca de tiros com a polícia. Outro caso registrado também nesta semana foi de um adolescente com 15 anos de idade que foi pego portando uma arma de fogo, na zona Norte de Teresina. Esses, no entanto, não casos isolados.

Os crimes mais comuns praticados por pessoas dessa faixa etária são roubo, inclusive de carro e motocicleta; furtos e assaltos. Para Fábio Abreu, o principal responsável por esse aumento é o tráfico de drogas e o uso de entorpecentes por eles. ?Eles roubam, assaltam e fazem pequenos furtos para comprar drogas e assim alimentar o vício?, afirmou. Além disso, muitos se envolvem com o tráfico convocados por maiores, já que a abordagem e punição a adolescentes é mais leve.

Já a delegada titular da delegacia de Segurança e Proteção ao Adolescente, Rejane Borges Carvalho, admite que a droga tem sua parcela de culpa no aumento da criminalidade envolvendo adolescentes, mas acredita que a situação é bem mais complexa. ?Não consigo identificar e nem vou afirmar quais os motivos que levam ao aumento cada vez maior desses números. Essa é uma situação complexa e precisa de um estudo detalhado para que se possa identificar as reais causas?, pontuou.

Crimes praticados por adolescentes são cada vez mais graves

Apesar de os crimes mais comuns praticados por pessoas nessa faixa etária serem mais roubos, furtos e assaltos, engrossam cada vez mais as estatísticas os crimes mais graves praticados por estes adolescentes. Hoje já é possível ver e, não tão raramente, eles cometendo crimes como homicídio, latrocínios, dentre outros.

A delegada Rejane afirma que a delegacia tem registrado com uma frequência bem maior esse tipo de crime. A delegacia registrou nos últimos dois meses seis homicídios praticados por adolescentes, três em julho e três em agosto. ?Nós estamos registrando com muita frequência esse tipo de crime, além de homicídios, nós também contabilizamos latrocínios, que é o roubo seguido de morte?, afirmou.

O capitão da Rone disse ainda que se antes eram pegas no poder desses adolescentes mais armas brancas, hoje é cada vez mais comum encontrá-los com arma de fogo. ?Das nossas ocorrências que envolvem adolescentes, 80% deles portam armas de fogo. Antes isso era muito raro, eles usavam no máximo uma faca?, disse.

Quanto aos homicídios, Fábio Abreu explica que eles são registrados com mais frequência entre adolescentes de gangues rivais. ?Eles cometem mais homicídios entre si, ou seja, um adolescente mata o outro da gangue rival?, pontuou.

Fonte: Pollyana Carvalho