Criança de dois anos vive com agulhas no corpo no Maranhão

Mãe disse que a criança havia caído de uma rede e chorava havia oito dias no interior do Maranhão

Em um caso semelhante ao ocorrido na Bahia, um menino de dois anos vive com cinco agulhas de costura dentro do corpo no interior do Maranhão. Os objetos foram detectados após a mãe, uma lavradora de 20 anos de São Vicente Ferrer (265 km de São Luís), levar o filho a um hospital. Ela disse que a criança havia caído de uma rede e chorava havia oito dias.

O menino ficou internado em estado grave em hospitais da cidade e de São Luís desde 10 de outubro até o início de dezembro. O caso chegou ao Ministério Público após os médicos examinarem radiografias da criança, que mostravam sete agulhas nas regiões torácica e abdominal, além de três costelas e uma clavícula quebradas.

Duas das agulhas --entre elas uma que havia perfurado o fígado-- foram retiradas. As outras foram mantidas porque as remoções trariam riscos à criança, que hoje está fora de perigo.

Uma decisão de quarta-feira de uma juíza de São Vicente Ferrer ordenou que a guarda da criança fosse retirada provisoriamente da mãe e que o caso fosse investigado.

Segundo o delegado Otto Seques, que entregou o menino aos avós paternos nesta quinta-feira (17), a mãe atribui as fraturas à queda e diz acreditar que as agulhas são fruto de magia negra. A lavradora disse não saber, no entanto, quem teria praticado os supostos rituais.

O delegado afirmou duvidar que a queda possa causar as fraturas. "Na pobreza de espírito e na ignorância dela, ela diz que é obra do desconhecido, do além. Quero saber o que são essas obras do além", afirmou Seques, que vai ouvir o pai da criança, que mora em outra casa, e os vizinhos, que cuidavam da criança na ausência da mãe.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br