Cunhado de J.Hudson teria confessado assassinato a amante

Cunhado de J.Hudson teria confessado assassinato a amante

William Balfour é acusado de matar a mãe, o irmão e o sobrinho da cantora

O ex-cunhado de Jennifer Hudson teria confessado o assassinato da mãe, do irmão e do sobrinho da cantora para a amante. Segundo o "The Huffington Post", a amante de William Balfour, Shonta Cathe, disse durante seu testemunho na justiça na sexta-feira, 27, que ele admitiu ter matado dois membros da família de Hudson.

"Ele me disse: "Eles foram baleados". E eu perguntei: "Quem?". Ele disse: "A mãe e o irmão dela" e eu fiquei olhando para ele com aqueles olhos arregalados e parecendo um louco. Ele me disse que entrou na casa e o irmão dela correu em sua direção e ele atirou. A mãe estava descendo a escada, o chamando e ele atirou", declarou Shonta.

Ela disse ainda que na época, a pedido de William, mentiu para a polícia sobre o paradeiro do namorado e aceitou que ele ficasse em sua casa: "Eu estava apaixonada por ele e não queria que ele se envolvesse em problemas."

Quando perguntada se William falou sobre o paradeiro de Julian King, de 7 anos, Shonta contou apenas que ele disse que o menino estava fora da casa quando tudo aconteceu. Julian foi encontrado morto dentro de um veículo roubado três dias depois que os corpos de sua avó e seu tio foram descobertos pela polícia de Chicago.

O caso

William Balfour é acusado de matar a tiros a mãe de Hudson, Darnell Donerson, de 57 anos; o irmão dela, Jason Hudson, de 29 anos; e o sobrinho, Julian King, de 7, em outubro de 2008. Se condenado por pelo menos dois assassinatos, ele seria sentenciado a prisão perpétua.

O julgamento de Balfour teve início na segunda-feira, 23, no Tribunal de Chicago. De acordo com a revista "People", Jennifer foi a primeira testemunha a depor e chorou muito ao contar que ela e o restante da família alertaram Julia, sua irmã, para não se casar com Balfour porque ele a tratava mal.

Na terça-feira, 24, Jennifer se retirou do tribunal quando os promotores começaram a apresentar fotos dos corpos de seus familiares e da cena do crime.



Fonte: EGO