Defesa diz que ator preso acusado por roubo se livrará da acusação logo após período do Carnaval

Defesa diz que ator preso acusado por roubo se livrará da acusação logo após período do Carnaval

"Ele já está com liberdade provisória concedida. O juiz acatou o pedido da defesa e, assim que o oficial de Justiça chegar, ele será solto",disse

O advogado do ator Vinícius Romão, preso no último dia 10 após ser acusado de roubo, afirmou na manhã desta quarta-feira (26), ao chegar à Casa de Detenção Patrícia Acioli, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, que ele deve se livrar da acusação apenas após o Carnaval.

"Ele já está com liberdade provisória concedida. O juiz acatou o pedido da defesa e, assim que o oficial de Justiça chegar, o Vinicius será solto", explicou Rubens Nogueira Abreu. O advogado afirmou que, por enquanto, Romão terá que obedecer leis sobre o status de liberdade provisória, mas depois do Carnaval ele será absolvido sumariamente.

Com roupas e pertences do ator, ele parou para conversar rapidamente com os jornalistas e contou que os familiares de Romão não irão ao presídio acompanhar a saída do rapaz e estão proibidos de falar sobre o processo de soltura.

A libertação do ator depende da chegada ao presídio do oficial de Justiça, que vai apresentar o alvará de soltura. Não há horário determinado para que isso aconteça. "Minha preocupação agora é que ele saia, e isso só depende da chegada do oficial. Não sei a que horas será, mas vou entregar as roupas e aguardar até a libertação", disse Abreu.

Questionado se a repercussão e comoção que o caso ganhou nas redes sociais ajudou na soltura do ator, o advogado disse que não. "Não acho que foi isso não. O essencial foi o trabalho maravilhoso que o advogado dele fez", afirmou, referindo-se a si mesmo.

Amigos de Vinicius Romão que iniciaram campanha nas redes sociais para o ator ser solto, aguardam no local pela liberação. O Tribunal de Justiça do Rio concedeu um alvará de soltura ao ator, que foi acusado de supostamente ter roubado e agredido Dalva Maria da Costa Dantas no Méier, zona norte carioca. O caso foi registrado na 25ª DP, no Engenho Novo.

Feliz com a liberação provisória, mas ainda indignado com os 16 dias que o amigo passou na prisão, o biólogo Bernardo Roxo acredita que Romão foi vítima de racismo.

"Ele foi vítima de racismo sim. Ela não agiu de má fé, mas acabou vitimando o Vinícius do preconceito racial. Ela estava ali em um momento de pressão e acabou o acusando injustamente", afirmou Roxo.

Fonte: UOL