"Não queríamos ter tido o confronto", afirma Coronel

"Não queríamos ter tido o confronto", afirma Coronel

Concederam entrevista ao Agora, apresentado pelo jornalista Silas Freire, falando sobre o assalto do Banco do Brasil de Miguel Alves

O Delegado Geral James Guerra e Comandante de Operações Especiais da Polícia Militar do Piauí, concederam entrevista ao Agora, apresentado pelo jornalista Silas Freire, falando dos detalhes da Operação do assalto do Banco do Brasil de Miguel Alves.

O caso do assalto chocou a população e resultou na morte de 4 pessoas. Entre elas o gerente do Banco do Brasil e ainda três assaltantes que entraram em confronto com a Polícia. O Delagado Geral, James Guerra, explicou que não havia uma notícia prévia de que iria acontecer a ação dos bandidos naquela cidade, que fica a 113 KM da capital Teresina.

?Nós soubemos da ação dos bandidos de Miguel Alves após a ocorrência do roubo ao Banco do Brasil e o que há é que existe uma comunicação permanente entre as polícias dos Estados e também da inteligência dos próprios bancos. Eles passam informações sempre que tomam conhecimento de alguma coisa. Mas posso garantir que junto à Secretaria de Segurança e em nenhum sistema de inteligência chegou a informação de que bandidos estavam com essa intenção de assaltar o BB de Miguel Alves?, relata James Guerra.



O apresentador Silas questionou então ao Comandante de Operações Especiais da PM, Coronel José Albuquerque, se o GATE sabia de alguma informação e por qual motivo eles estavam naquela região justamente no dia do assalto.

?É sabido que do dia 25 até o dia 8 de cada mês é frequente assaltos no interior do Estado, principalmente, à Bancos. Então, logicamente, pelo Comando de ações preventivas no interior estávamos na região fazendo um trabalho preventivo. Foi feito uma programação que seriam deslocados equipes para o sul do Estado e para o entorno da capital nas cidade de Miguel Alves, Altos, José de Freitas, União para reforçar o policiamento principalmente nesse período. Infelizmente para os assaltante eles se depararam justamente com uma ação do GATE que estava próxima daquela localidade e foi prontamente acionada?, fala o Coronel Albuquerque.



Ele explica ainda que, ?diante de um confronto com bandidos, onde a polícia é recebida à balas o policial não vai pensar duas vezes porque também tem vida?, justifica. ?Ele também é pai, também tem mulher, tem filhos e precisa também preservar a sua vida como também a vida de outras pessoas. Não queríamos em nenhum momento ter tido esse confronto e vitimado quem quer que seja, nem bandido. O que a gente sempre faz é proteger a vida do cidadão podendo ser ele bandido, estuprador. Mas o confronto aconteceu e só o policial que estava lá pode dizer o que sentiu ao também ser alvejado por balas. Só que o policial é um homem preparado pelo Estado para responder à altura e o bandido muitas vezes não é?, enfatiza.

O comandante também destacou que só o inquérito policial irá responder de forma conclusiva tudo que aconteceu e quais elementos foram determinantes para o acontecido.

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA ACESSANDO O VÍDEO:

Delegado Geral e Comandante da PM falam sobre assalto em Miguel Alves por RedeMeioNorte no Videolog.tv.

Fonte: Marcilany Rodrigues