Delegado vê indícios de que noivo de dançarina é envolvido em milícia

Padrão financeiro, porte de armas pesadas seriam algumas das evidências

A prisão de Milton Severiano Vieira, de 32 anos, pelo assassinato da dançarina de funk Cícera Alves de Sena, 29 anos, conhecida pelo nome artístico Amanda Bueno, deverá levar a polícia a investigar a atuação de grupos criminosos em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. De acordo com o delegado Fábio Cardoso, da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), há indícios de que ele esteja envolvido com a formação de milícia na região.

Popularmente conhecido na cidade como Miltinho da Van, ele foi preso horas depois do brutal assassinado da ex-integrante do grupo Jaula das Popozudas. Imagens gravadas pelas câmeras de vigilância da casa onde vivia o casal registraram o crime. Milton aparece agredindo severamente a noiva antes de atirar contra ela. Segundo a polícia, ele primeiro atirou, a queima roupa, com uma pistola e depois usou uma escopeta para atirar outras vezes. No momento da prisão, ele portava ao menos cinco armas de fogo.

“Diante do que a gente viu nesse crime, verificando o poderio financeiro dele, com veículos muito caros, a posse de um verdadeiro arsenal, com armas de grosso calibre e farta munição, somado ao fato dele estar envolvido com exploração do transporte clandestino na cidade e considerando essa violência desmedida com uma pessoa com quem ele vivia, tudo indica que ele pode ter envolvimento com grupos criminosos que atuam naquela região”, disse o delegado Fábio Cardoso.

 Segundo Cardoso, após a conclusão do inquérito sobre o assassinato da dançarina, ele irá remeter os autos para a Justiça e para alguma delegacia que tenha atribuição para investigar o envolvimento dele em outros crimes.

Milton deverá ser transferido neste sábado (18) para o Complexo Penitenciário de Gericinó. A Justiça decretou nesta sexta-feira (17) a prisão preventiva dele, que foi autuado em flagrante pelos crimes de roubo majorado com emprego de arma de fogo, porte ilegal de arma e homicídio triplamento qualificado – agravado por motivo fútil e ausência de chance da vítima, além de feminicídio.

A decisão foi tomada pelo juiz Alexandre Guimarães Gavião, da 4ª Vara Criminal de Nova Iguaçu. O magistrado destacou o apelo público gerado pelo crime.

“É certo que o estado de comoção social e de eventual indignação popular, motivado pela repercussão da prática penal, não deve justificar, por si só, a decretação da prisão cautelar do suposto autor do comportamento delituoso. No entanto, a medida cautelar em questão se justifica para a tutela, inclusive, do bom andamento da persecução penal e da eficácia de seu resultado", afirmou o juiz.

'Surto', diz defesa

Conhecido como Miltinho da Van, ele admitiu o assassinato, segundo afirmou o advogado Hugo Assumpção. O defensor destacou que ele alegou ter sofrido um "surto" e que está arrependido do crime. Em depoimento, no entanto, ele se reservou o direito de ficar calado, conforme esclareceu o delegado Fábio Raboso, responsável pelas investigações.

Até 67 anos de prisão.

Segundo Cardoso, a tipificação foi baseada no novo crime de feminicídio. A lei para assassinatos de mulheres por razão de gênero foi sancionada em março pela presidente Dilma Rousseff e funciona com agravante do crime de homicídio, além de ser classificado como hediondo. Se condenado por todos os crimes, a pena somada pode chegar a 67 anos de prisão.

O delegado informou que será investigada ainda uma suposta ligação de Milton com milícias e outros homicídios.

"Uma pessoa que controla tantas linhas de vans, tem tantas armas sem registro em casa e um esquema de segurança tão grande envolvendo a sua casa será investigado para sabermos se está relacionado com outros crimes", afirma o delegado Fábio Cardoso.

A polícia vai apurar registros de crimes, principalmente na região da Posse, em Nova Iguaçu. "Vamos verificar os homicídios que aconteceram naquela área e, caso tenham sido cometidos com o mesmo tipo de arma, vamos pedir confronto balístico."

Histórico de ciúme e agressão

Milton tem duas passagens anteriores pela polícia por agressões a mulheres. "Ele já tem um histórico de violência doméstica", explicou o delegado.

Amigas da funkeira, que não quiseram ser identificadas, contaram que ela parou de dançar a pedido do noivo. Amanda, de 29 anos, é ex-integrante da Jaula das Gostozudas e da Gaiola das Popozudas.

Segundo o delegado, o crime pode ter sido motivado por ciúmes. Miltinho teria almoçado com uma ex-namorada que, no dia do crime, ligou para Amanda para provocar. A ligação teria gerado uma briga e Miltinho saiu de casa. Mais tarde, ele teria voltado cambaleando.

O advogado acredita que um dos motivos do ciúme seriam vídeos recebidos por Milton. Assumpção não quis comentar o teor das imagens para "presevar" Amanda.

Crime registrado por câmeras

Um vídeo postado na página do Radar Costa Verde mostra o momento do assassinato, em registros feitos por câmeras de segurança (veja ao lado, nas imagens editadas por conter cenas fortes).

A polícia confirmou que a dinâmica do crime é a mesma que parece no vídeo. Após discussão, Milton pega a vítima pelo pescoço, bate com a cabeça dela 11 vezes em uma pedra do jardim e dá 10 coronhadas na cabeça dela. Em seguida, entra em casa, veste o colete à prova de balas e se arma com um revólver, três pistolas e uma espingarda calibre 12. Ao passar pelo corpo, dá tiros com a pistola e com a espingarda no rosto da vítima.

Após a morte, Miltinho sai, rende dois homens e rouba um carro, mas é preso logo depois do crime, ao capotar durante fuga da polícia. Quatro armas, incluindo uma espingarda semelhante à que aparece no vídeo, foram encontradas no veículo.

Segundo a polícia, ele não tinha porte para nenhuma das armas encontradas. O advogado falou que tinha autorização por ser colecionador.

 Noivos há 4 dias

Amanda Bueno, que na verdade se chama Cícera Alves de Sena, ficou noiva de Miltinho da Van, de 32 anos, quatro dias antes do crime. O assassinato ocorreu na casa do casal, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no fim da tarde desta quinta-feira.

De acordo com o delegado, o suspeito, que teria roubado um carro logo após assassinar a mulher, foi localizado por agentes da unidade e, ao tentar escapar, perdeu o controle da direção do veículo e capotou.

Ele foi encaminhado, sob escolta policial, ao Hospital da Posse, e liberado com ferimentos leves. O preso será transferido neste sábado (17) para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

 Família 'abaladíssima'

O corpo de Amanda foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML). De acordo com uma amiga, que não quis se identificar, a dançarina, que na verdade se chama Cícera Alves Sena e nasceu em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia, tinha uma filha de 11 anos, que mora com a avó. A familía, segundo ela, está 'abaladíssima'.

"Mesmo morando no Rio, ela era uma mãe muito presente e falava sempre com a filha pelo telefone. Elas tinham muito carinho uma pela outra", disse a amiga.

Os parentes ainda sabem pouco sobre o caso. Uma irmã de Amanda já viajou para o Rio para poder liberar o corpo, que será enterrado em Goiânia.

Valesca Popuzuda lamenta

A cantora Valesca Popozuda lamentou a morte de Amanda Bueno em uma mensagem em sua rede social na internet. Elas trabalharam juntas durante um período no grupo Gaiola das Popozudas. Na mensagem, Valesca relembrou relembrou o convívio nos shows e nas viagens com Amanda Bueno. Confira na íntegra:

"Meus pêsames a toda Família da ‪#‎AmandaBueno‬. Uma moça que teve seus sonhos interrompidos deixando amigos e família órfãs de seu sorriso e sua presença, Amanda assim como muitas mulheres no mundo foi vítima de violência doméstica, existem donas de casas, advogadas, médicas que sofrem da mesma violência que Amanda sofreu, infelizmente o fim dela foi triste e de uma forma violenta e trágica. Fica meu respeito pela pessoa da Amanda , ficam as lembranças dos shows, as risadas nas viagens e a lembrança da Garra que ela tinha em querer um futuro melhor para sua Filha e sua mãe. Peço a Deus que dê o descanso merecido para Amanda e o conforto necessário para toda sua família".

 

Fonte: G1