Diplomata do Irã é acusado de abuso sexual contra crianças; homem não pode ser preso

Diplomata do Irã é acusado de abuso sexual contra crianças; homem não pode ser preso

" Ele mergulhava e passava a mão no peito de uma, nas nádegas de outra, na genitália", contou o pai de uma das vítimas..

Um diplomata é suspeito de ter abusado sexualmente de crianças e adolescentes no Distrito Federal. Ele teria abordado meninas de 9 a 14 anos em um clube na Asa Sul. O conselheiro de missão diplomática do Irã, em Brasília, tem 51 anos e vive no Brasil desde fevereiro de 2010. A Embaixada do Irã não quis se pronunciar sobre o caso.

Testemunhas relataram que o suspeito nadava em uma piscina do clube, na tarde do último sábado (14), quando teria acariciado as partes íntimas das vítimas. Cerca de dez meninas estavam na piscina quando foram abordadas pelo diplomata.

As crianças ficaram assustadas e denunciaram o abuso para o salva-vidas, em seguida para os familiares. O pai de uma das meninas, de 11 anos, contou que a filha ficou desorientada, sem saber o que fazer.

?Ele mergulhava e passava a mão no peito de uma, nas nádegas de outra, na genitália. E ai elas saíram pra chamar a gente?, disse o pai de uma das vítimas, que não quis se identificar.

Um outro pai, de uma adolescente de 14 anos, afirma que o homem só parou de mexer com as meninas depois que a filha começou a gritar. ?Estou revoltado. Como um homem mexe com meninas de 9 a 14 anos, que estão se formando, que não tem malícia?, protestou um pai, que também pediu para não ser identificado.

O caso foi parar na delegacia. Os pais das crianças registraram um boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia, mas o conselheiro da embaixada do Irã não pôde ser ouvido e acabou liberado. O delegado Sérgio Ricardo Mattos explicou que o suspeito tem imunidade diplomática, não pode ser julgado e nem preso no Brasil.

Mattos informou que as leis brasileiras não se aplicam a diplomatas estrangeiros. ?O inquérito terá que ser encaminhado ao Ministério das Relações Exteriores.?

Se o diplomata pudesse ser julgado no Brasil, segundo o delegado, ele iria responder por estupro de vulnerável e poderia ficar até 15 anos preso.

Fonte: G1