Dupla sertaneja é presa por suspeita de apologia às drogas

O município lamentou o ocorrido

A dupla sertaneja Junior e Gustavo foi detida pela Polícia Militar (PM) na madrugada desta segunda-feira (7) durante um show na Exposição Agropecuária de Macuco, na Região Serrana do Rio.

Image title

Segundo informações da PM, a apresentação foi interrompida porque os cantores estavam fazendo apologia às drogas com músicas de funk. Eles foram levados em viaturas da polícia para a 154ª Delegacia de Polícia em Cordeiro, onde prestaram depoimento e foram liberados.

Quando os músicos entraram na viatura, o público da festa vaiou o trabalho da PM.

“Não é a primeira vez que essa dupla é autuada. A primeira foi em Nova Friburgo durante um show no aniversário da cidade, no ano passado. Eles querem incentivar a população cantando esse tipo de música”, afirmou o coronel Carlos Eduardo Hespanha, comandante da Polícia Militar na região.

Junior, cantor da dupla, confirmou que este foi o segundo incidente: “Só tivemos problema por cantar funk em show duas vezes. Uma em Nova Friburgo e agora em Macuco, cidades cobertas pelo mesmo batalhão, se cantar funk na cidade é proibido nos avisem, não temos bola de cristal para saber o que pode e o que não pode ser cantado”.

Ainda de acordo com Junior, há mais de cinco anos a dupla reserva um momento da apresentação para cantar funks e nunca houve problema.

“Infelizmente fomos surpreendidos com a ação da polícia que invadiu o show e pediu para o nosso operador de som cortar o áudio. Logo depois pedimos para abrir o nosso microfone e explicamos que isso era preconceito com o estilo musical”, afirmou o cantor, lembrando que o show foi interrompido.

“Se nós estivéssemos fazendo apologia, acha que cantaríamos no meio do povo?”, questionou Junior. Já a assessoria de imprensa da Prefeitura de Macuco disse que também ficou surpresa com a ação da PM e que o prefeito da cidade, Félix Lengruber, havia pedido a dupla para cantar uma música de sucesso do Nêgo do Borel.

O município lamentou o ocorrido e informou que o prefeito acompanhou os músicos na delegacia durante o registro da ocorrência. A Prefeitura informou ainda que havia contratado um show com duas horas e dez minutos de duração e que o público perdeu cerca de 50 minutos de apresentação tudo por culpa da polícia.

“Nós intervimos dentro da legalidade. Não é interesse de ninguém prejudicar um evento da Prefeitura. Lamentamos esse tipo de situação, mas o policial tem que agir assim”, comentou o coronel Hespanha.

Fonte: G1