"É melhor a morte do que ficar preso", diz Mizael que voltou a negar que matou Mércia Nakashima

"É melhor a morte do que ficar preso", diz Mizael que voltou a negar que matou Mércia Nakashima

Mizael afirmou que não anda armado e guarda dois revólveres encaixotados em sua residência "por recordação.

Em interrogatório nesta quarta-feira (13), terceiro dia de seu julgamento, Mizael Bispo de Souza, acusado de ter matado Mércia Nakashima em 2010, voltou a negar que matou sua ex-namorada.

"Eu não matei ninguém. Essas versões que estão falando, não procedem", afirmou Mizael, que foi interrogado por sua defesa, já que a acusação abriu mão de fazer perguntas.

O réu se mostrou nervoso, falando rapidamente, muitas vezes dizendo coisas não perguntadas pelos advogados.

"Estou sofrendo tanto com isso. Melhor a morte do que ficar preso. Quem deve, tem que pagar pelo que fez. Quem não deve, tem que rebelar. Eu me rebelei", explicou. "O direito de tirar a vida é de quem nos deu."

Mizael, que foi reformado pela Polícia Militar após ter sofrido um choque de 3.000 volts em 1999, afirmou que nunca teve coragem de matar ninguém, nem mesmo quando era policial.

"Fazia trabalhos internos. Não trabalhava na rua porque tinha medo. Um dia, em Franco da Rocha, durante uma troca de tiro, me escondi embaixo da viatura. Não tenho vergonha de dizer", contou.

Mizael afirmou que não anda armado e guarda dois revólveres encaixotados em sua residência "por recordação." O réu acusou o pai de Mércia, Makoto Nakashima, de ser ausente e contou que Mércia dizia que ele "não ligava para sua vida."

Makoto passou o interrogatório na plateia, com a testa franzida, prestando atenção nas palavras de Mizael.

Fonte: UOL