Edmundo é absolvido de acusação de dirigir alcoolizado no Rio de Janeiro

O jogador Edmundo foi absolvido nesta quinta-feira (30) da acusação de dirigir alcoolizado

O jogador Edmundo foi absolvido nesta quinta-feira (30) da acusação de dirigir alcoolizado e de desacatar autoridade em 2005. A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, por unanimidade, reformou a sentença que havia condenado o jogador de futebol a um ano de detenção. Segundo o TJ, ele foi flagrado em suposta "bandalha" ao sair de uma boate no Leblon, na Zona Sul do Rio, na madrugada de 19 de dezembro de 2005.

No recurso, a defesa de Edmundo alegou que o jogador sofreu cerceamento de defesa pelo fato de não ter sido nomeado um perito para estabelecer o grau de precisão e certeza do teor de álcool no sangue, a ser medido através do exame de urina. E acusou os policiais militares de terem tentado achacar o jogador depois que o reconheceram na saída da boate. O advogado citou ainda o fato de os mesmos policiais terem perdido recentemente uma ação em que pediam indenização de R$ 300 mil.

De acordo com o relator do recurso, desembargador Geraldo Prado, ?não há como demonstrar sem algumas provas periciais a relação entre a alteração anímica e a ingestão de álcool?. Segundo o desembargador, o juiz tem que saber qual é a prova pericial necessária para isso.

"A prova colhida (teste de urina) pode demonstrar que em algum momento Edmundo bebeu, mas não se pode condená-lo por causa disso", disse. O relator estranhou ainda o fato de os policiais terem ordenado ao jogador que dirigisse seu carro do local da abordagem até a delegacia, mesmo após perceberem que ele havia bebido.

A desembargadora Leony Maria Grivet Pinho completou dizendo que a lei é categórica e estabelece que a embriaguez somente é comprovada com o exame de sangue."A lógica indica que algo de muito estranho aconteceu. Por isso, voto pela absolvição", declarou.

Carteira de motoristas suspensa

O Detran do Rio suspendeu por dois anos a habilitação do ex-jogador de futebol Edmundo que acumulou 20 pontos ou mais na carteira de motorista.

A assessoria de imprensa do órgão informou que o prontuário de Edmundo somou 219 pontos desde 2006. A infração mais frequente cometida por Edmundo, no período, foi o excesso de velocidade.

Atualmente, Edmundo está condenado a quatro anos e meio de prisão por se envolver num acidente trânsito na Lagoa, Zona Sul, em 1995, no qual três pessoas morreram. Ele está em liberdade porque recorreu contra a sentença.

De acordo com o Detran, Edmundo já foi punido outras duas vezes com a suspensão da carteira de habilitação. Mas, segundo o órgão, mesmo assim o ex-jogador continuou dirigindo e cometeu 29 infrações no período.

O Detran informou que o jogador, conhecido como "Animal" nos meios esportivos, teve a carteira suspensa de abril a novembro de 2006, após dirigir alcoolizado e se envolver em um acidente no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio. Edmundo também ficou proibido de dirigir de março de 2007 a agosto de 2008, após ser flagrado supostamente alcoolizado conduzindo um veículo - crime pelo qual foi absolvido nesta quinta.

Jogador atropelou operário

Em dezembro de 2008, ao sair de um treino em São Januário, na Zona Norte do Rio, Edmundo atropelou um operário. Na ocasião, o ex-jogador bateu com o carro em uma escada derrubando o funcionário que consertava um ar-condicionado.

O caso mais grave foi em 1995. Edmundo se envolveu em um grave acidente na Lagoa, que resultou na morte de três pessoas. Ele foi condenado a quatro anos e meio de prisão e, graças a recursos, permanece em liberdade enquanto a Justiça analisa o pedido de redução de pena.

,b>Aulas teóricas e exames psicotécnicos

O Detran informou que Edmundo e outros motoristas punidos com a cassação da habilitação terão que freqüentar 45 horas de aula teórica, 20 horas de aula prática de direção, além de realizarem exames psicotécnicos. Ao final das aulas e dos exames, os motoristas serão submetidos a provas práticas e teóricas.

O ex-jogador e os outros motoristas cassados podem recorrer da decisão dentro de um prazo de 30 dias. Segundo o Detran, os recursos podem ser encaminhados às juntas administrativas de recursos de infrações.

Fonte: g1, www.g1.com.br