"Ela foi queimada viva", confirma suspeito de matar empresária

"Ela foi queimada viva", confirma suspeito de matar empresária

Líder do grupo que matou comerciante foi preso em Luziânia, Goiás Antes de ser queimada, vítima foi torturada e estuprada, diz polícia

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (18) o último suspeito de matar a empresária Cleonice Marinho de Araújo, de 44 anos, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. "Ela foi queimada viva", confirmou o rapaz.

Sequestrada em Valparaíso na noite de terça-feira (15), Cleonice foi encontrada morta na última quinta-feira (16). O corpo estava dentro do carro da própria vítima, em uma fazenda de Cristalina (GO), a 268 km de Goiânia.

A delegada que cuida do caso, Carina Duarte, acredita que o jovem de 21 anos é o líder do grupo que cometeu o crime. Após ser preso na casa onde mora em Luziânia (GO), ele confessou a participação no assassinato. Agora, as quatro pessoas envolvidas no caso estão detidas, dentre eles, um menor de idade.

Segundo a polícia, antes de ser queimada viva, Cleonice foi torturada e estuprada. " É um crime que foi praticado com muita crueldade. Ela sofreu demais. Foram muitas horas desde quando foi sequestrada em Valparaíso de Goiás até o momento em que foi abandonada ainda com vida e com o corpo todo queimado, vindo a óbito logo depois", comentou a delegada.



A pedido de outra pessoa, o líder do grupo teria pago R$ 60 aos outros três envolvidos para que roubassem as rodas do carro da empresária. ?A pessoa que encomendou as rodas do veículo também pode ser indiciada?, afirma Carina Duarte. Com a última prisão, a polícia espera descobrir a motivação do assassinato.

Após uma denúncia anônima, os outros três envolvidos foram presos na quinta-feira (17). Junto com eles, a polícia apreendeu uma faca, armas de fogo e pneus que foram roubados do veículo da empresária.

Fonte: G1