"Ela me tirou do sério", diz suspeito de matar ex-mulher e filho de 4 anos com vários tiros

"Ela me tirou do sério", diz suspeito de matar ex-mulher e filho de 4 anos com vários tiros

O crime ocorreu na última quinta-feira (1º), quando os corpos de Ariele e do garoto foram encontrados em uma residência

O suspeito de matar a tiros a ex-mulher de 23 anos, Ariele Lopes da Silva, e o próprio filho de apenas quatro anos de idade, confessou a autoria do crime após se entregar à Polícia Civil de Cuiabá. Geanderson Xavier Rangel, de 24 anos, decidiu contar detalhes do duplo homicídio durante depoimento nesta terça-feira (6), 24 horas depois de ter se entregado na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

?Ela [ex-mulher] me tirou do sério. Ela puxou o menino e eu atirei e pegou no menino. Eu não atirei nele, era para pegar nela. Jamais no menino?, declarou o suspeito chorando ao lado do advogado.

O crime ocorreu na última quinta-feira (1º), quando os corpos de Ariele e do garoto foram encontrados em uma residência do bairro Serra Dourada, na capital. As vítimas foram achadas mortas pela irmã de Ariele, no momento em que ela retornou da escola. Na segunda-feira (5), Geanderson se entregou à polícia, mas optou por se manter em silêncio no primeiro depoimento.

Já nesta terça-feira, Geanderson contou ainda que o crime não foi planejado. ?Foi de última hora, teve aquela pressão. Mas jamais foi planejado isso?, disse. As investigações apontaram que no momento do crime a criança estava dormindo. O delegado João Bosco Ribeiro informou que a arma usada nos assassinatos foi entregue pelo suspeito, que vai responder por duplo homicídio qualificado. Conforme o delegado, mesmo com a confissão, as investigações no inquérito aberto para apurar o crime vão continuar.

De acordo com informações de familiares, o casal estava separado há alguns meses, porém, eles vinham travando uma briga constante por conta do pagamento da pensão do filho. A jovem era estudante do curso de direito. O delegado João Bosco confirmou que o suspeito vai ficar detido na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa até que a Justiça possa expedir o mandado de prisão preventiva, o que ainda não ocorreu.

As vítimas eram filha e neto de um sargento da PM e estavam sozinhas na casa do oficial no momento em que o suspeito foi até o local e as matou. O suspeito foi visto por vizinhos saindo da residência depois do crime e conseguiu fugir.

Fonte: G1