Empresário acusado de fraude no MA

Ele pediu que seu contador calculasse os encargos sociais sobre a passagem de R$ 1,70

O diretor e administrador da Empresa Gonçalves, Gilson Gonçalves assumiu, em entrevista à rádio Mirante AM, a participação no esquema de fraude do cartão do vale transporte, mas afirmou que o Sindicato dos Rodoviários tinha conhecimento sobre o assunto.

Segundo o administrador Gilson Gonçalves, há seis meses, foi descoberto que cobradores da empresa compravam créditos de um fornecedor. ?Quando descobri o fato, demiti alguns deles por essa conduta antiética. Como o fato continuou acontecendo, procurei o fornecedor e propus que ele negociasse com a empresa, em vez de passar aos cobradores?, mencionou Gonçalves.

Ainda de acordo com Gonçalves, ele pediu que seu contador calculasse os encargos sociais sobre a passagem de R$ 1,70. ?O que restou, mais ou menos, foi R$ 1,36, que era o valor pelo qual comprávamos dele a unidade. Não vemos ilegalidade na questão?, declarou.

Ainda segundo Gilson Gonçalves, os cartões eram descarregados nos pontos finais dos ônibus sem a presença do cobrador, para evitar quaisquer problemas. Quanto aos R$ 58.000,00 passados a Roberval Campos, ele explicou tratar-se do montante para que o negociador tirasse seu lucro e pagasse aos usuários de quem comprava os cartões.

Fraude

A Polícia prendeu nesta terça-feira (20) Roberval Campos Carvalho. O suspeito estava com mais de 500 cartões de vale transporte. O produto era comprado de trabalhadores, que apesar de serem beneficiados não utilizavam o vale. Os créditos eram comercializados por R$ 1,15 e negociados os cartões com a Empresa Gonçalves. Roberval faturou cerca de R$ 58 mil. A venda de créditos vinha acontecendo desde junho do ano passado.

Gilson admitiu o erro, mas disse que a empresa estava com problemas financeiros e precisava fazer alguma coisa. ?Eu precisei demitir funcionários, e mesmo assim não estava adiantando. Tinha que tomar uma decisão rápida?, explica.

Ele explicou que tentou acabar com o esquema, mas como não encontrou nenhum impedimento legal, não procurou a polícia.

Segundo o delegado Ronilson Almeida, que investiga o caso, Gilson já foi intimado a comparecer na Delegacia de Investigações Criminais.

Rodoviários

O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário afirmou desconhecer a venda de créditos dos cartões de transportes. O presidente do sindicato, José Rodrigues, explicou de quem opera o sistema de bilhetagem eletrônica é o Sindicato dos Empresários de Transportes Coletivos de São Luís (SET) e o CPU das empresas.

Infração

Conforme a equipe da Deic, o esquema de fraude infringe a Lei Federal 7.418/85. ?Além de agredir o direito de uso do beneficiário do vale-transporte, configura-se crime contra a ordem econômica, uma vez que privilegia uma empresa em particular, prejudicando as relações de concorrência no mercado?, discorreu o delegado.

O inquérito deve ser concluído em 30 dias. ?Sejam os cartões comprados, falsificados ou roubados, os participantes do esquema, inclusive as pessoas ligadas à Gonçalves, podem ser criminalmente indiciados por fraude, estelionato ou outro crime, por natureza, contra a ordem econômica, dependendo do rumo que tomarem as investigações?, explicou o delegado. Também pode haver indícios de crime contra a ordem tributária. ?Uma vez que as empresas emitentes dos cartões têm uma redução de Imposto de Renda da ordem de 10%, logo, todas as possibilidades devem ser consideradas?, finalizou Ronilson Moura.

Fonte: Imirante