Envolvidos na morte do filho de Cissa Guimarães farão reconstituição

Envolvidos na morte do filho de Cissa Guimarães farão reconstituição

Segundo a delegada, a investigação sobre a propina paga aos policiais ficará a cargo da Polícia Militar

O jovem que atropelou Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, os três amigos que estavam com ele na noite em que o músico morreu, e os amigos do skatista que estavam no local foram intimados a comparecer na madrugada de terça-feira (27) ao Túnel Acústico, na Gávea, Zona Sul da cidade, onde tudo aconteceu. Eles farão parte de uma reprodução simulada, que ajudará a Polícia Civil a reconstituir o acidente.

?É um exame pericial, em que cada um vai narrar a sua versão dos fatos e fazer novamente o que aconteceu, do seu modo. Há algumas dúvidas e vamos tentar chegar o mais próximo possível do que tenha acontecido ali", explicou a delegada Bárbara Lomba, da 15ª DP (Gávea), responsável pelas investigações.

Segundo a delegada, a investigação sobre a propina paga aos policiais ficará a cargo da Polícia Militar, que já está apurando os fatos. Ela afirmou que os policias podem ser acusados por corrupção passiva e Rafael e Roberto Bussamra por corrupção ativa. Rafael Bussamra, que admitiu ter atropelado Rafael Mascarenhas, ligou para o pai Roberto que pagou mil reais aos policiais após o acidente. O pedido dos policiais, segundo ele, seria de R$ 10 mil.

Para a reconstituição, o túnel será interditado da meia-noite desta segunda-feira (26) até as 5h de terça (27). No período de fechamento, a opção para os motoristas é seguir pela Avenida Niemeyer, no Leblon. Segundo a delegada, a reprodução simulada deve começar por volta de 1h, no mesmo horário em que Rafael Mascarenhas foi atingido.

Rafael morreu na terça-feira passada (20) após ser atropelado quando andava de skate no Túnel Acústico, que estava com um trecho fechado para manutenção.

Advogado diz que atropelador pediu socorro

O advogado de Rafael Bussamra, jovem que confessou ter atropelado Rafael Mascarenhas, disse nesta segunda-feira (26) que seu cliente parou para prestar socorro após o acidente. O jovem prestou novo depoimento, nesta manhã, na 15ª DP (Gávea), que durou cerca de duas horas e meia.

Ainda segundo o advogado, foi nesse momento que os policias militares Marcelo Leal e Marcelo Bigon chegaram ao local do acidente, dentro do Túnel Acústico. ?Os PMs encostaram ao lado do carro do Rafael dizendo que ele tinha que ir para a delegacia. Os policiais nem se preocuparam em saber como estava o Rafael Mascarenhas?, contou Levy. ?Os PMs falaram: ?Você já ligou e o socorro está vindo. Agora, temos que ir para a DP??, complementou o advogado.

Ainda segundo o advogado, no caminho para a delegacia, os policias teriam "mudado de conduta", desistido de levar o jovem para a delegacia e teriam pedido a propina.

Corregedoria da PM pediu prisão preventiva dos PMs

A Corregedoria Interna da Polícia Militar pediu, na manhã desta segunda-feira (26), à Auditoria de Justiça Militar que decrete a prisão preventiva de 30 dias dos dois policiais militares que liberaram o carro do atropelador do músico. As informações são do relações públicas da PM, capitão Ivan Blaz.

O sargento da Polícia Militar Marcelo Leal e o cabo da PM Marcelo Bigon se apresentaram à polícia no fim de semana, e estão presos no 23º BPM (Leblon), onde trabalhavam.

Fonte: g1, www.g1.com.br