Estagiária de direito que se jogou de prédio após estupro ganhava mesada de R$ 7 mil

Estagiária de direito que se jogou de prédio após estupro ganhava mesada de R$ 7 mil

Viviane ficou transtornada e dizia coisas estranhas.

A estudante Viviane Alves Guimarães Wahbe, de 21 anos, era estagiária de direito de um dos maiores escritórios de advocacia de São Paulo. Segundo a mãe contou à polícia, a filha teria ficado perturbada após, supostamente, ser vítima de estupro. No começo de dezembro, Viviane se jogou da sacada do sétimo andar do prédio onde morava.

Ela estava no último ano do curso e morava com a mãe e a irmã num apartamento de alto padrão no bairro do Morumbi, em São Paulo. Viviane ganhava um salário de cerca de R$ 1.800,00, mas recebia do pai, um empresário do ramo da moda, uma mesada de R$ 7.000,00 por mês.

De acordo com a mãe, o comportamento da filha mudou totalmente depois que ela participou de uma festa de confraternização do escritório onde trabalhava. Segundo ela, Viviane ficou deprimida, chorava muito e não saía mais de casa. Depois desse depoimento, o que antes era suicídio passou a ser investigado pela polícia como morte suspeita.

No boletim de ocorrência, a mãe também disse que Viviane reclamava ?por estar sofrendo um intenso assédio do chefe no trabalho?. Além disso, declarou que a filha dizia ter sido estuprada e que isso aconteceu na noite da festa, em 24 de novembro ? nove dias antes do suicídio.

Segundo a mãe, a filha havia bebido duas taças de champanhe e tinha apenas flashes de memória da festa. No dia seguinte do evento, um colega de trabalho teria espalhado pelo escritório que havia feito sexo com a jovem.

Ainda segundo o depoimento da mãe, Viviane ficou transtornada e dizia coisas estranhas. Devido a esse comportamento, ela a levou ao médico, que receitou um medicamento usado para tratar epilepsia e transtorno de humor. Dois dias depois, a estudante se jogou do prédio.

A polícia pediu exames para verificar se havia indícios de violência sexual ou drogas no corpo da jovem. O inquérito corre em segredo de justiça. Até agora, cerca de 30 pessoas foram ouvidas pela polícia, entre amigos, parentes e colegas de trabalho e faculdade.

Em nota, o escritório que a jovem trabalhava diz que ?não há indícios de qualquer relação direta ou indireta entre o evento comemorativo do escritório e a morte?.

Fonte: R7, www.r7.com