Portal meionorte.com BETA

MENU
••• atualizado em 13 de Agosto de 2011 às 12:51

"Este é o momento de silêncio", diz chefe da polícia sobre morte de juíza

PUBLICADO POR

Anderson Alencar


Repórter

A Polícia do Rio mobilizou 120 homens, 60% do efetivo da Delegacia de Homicídios, para investigar o assassinato da juíza Patrícia Lourival Acioli, ocorrido na quinta-feira à noite em Niterói, na região metropolitana do Rio.

Hoje, a chefe da Polícia Civil do Rio, Marta Rocha, não quis dar detalhes da investigação. "Este é o momento de silêncio, de investigar", disse ela ao sair da Delegacia de Homicídios, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio).

O Disque-Denúnica informou já ter recebido até o momento 42 denúncias sobre o crime.

A polícia não descarta nenhuma linha de investigação. Há suspeitas contra milícias, grupos de extermínio, agiotas, máfias de vans e até de crime passional.

A juíza, além de ter sofrido várias ameaças por causa de suas decisões rigorosas contra políciais, teve registros de agressão do namorado, o cabo da PM Marcelo Poubel, em pelo menos duas ocasiões.

Segundo a Secretaria de Segurança do Rio, foi registrada queixa contra o policial em 2006 por uma "surra" que ele teria dado na juíza publicamente, numa churrascaria, em 2006.

No começo deste ano, quando estavam separados, ele invadiu a casa de Acioli e a flagrou no quarto com outro homem _um agente penitenciário. Uma queixa por agressão contra o policial foi registrada na 81ª DP (Itaipu).

Recentemente, a juíza reatou o relacionamento com o policial. A Folha não conseguiu localizar ontem Poubel.

Poubel já havia prestado depoimento durante seis horas na Delegacia de Homicídios da Barra da Tijuca, que investiga o caso.



EMBOSCADA

A juíza foi morta às 23h45 quando chegava em sua casa após uma sessão no fórum de São Gonçalo, na região metropolitana. De acordo com o delegado Felipe Ettore, responsável pela investigação do assassinato, Acioli foi morta com 21 disparos por um procedimento de emboscada.

"A vítima foi executada em emboscada e alvejada 21 vezes", disse Ettore, na Delegacia de Homicídios da Barra, na zona oeste do Rio.

Segundo a polícia, as imagens flagraram o momento em que os criminosos fugiam após o crime. Testemunhas afirmaram que eles estavam em dois carros e duas motos, mas o número de criminosos que participaram da ação ainda é desconhecido.

ESCOLTA

De acordo com o presidente da Associação dos Magistrados do Rio, Antônio Siqueira, a juíza dispensou, em 2007, a segurança oferecida pelo Tribunal de Justiça aos juízes ameaçados --ela recebia escolta desde 2002.

Ele disse que, na época, ela explicou que seu companheiro era policial e que ele se encarregaria de sua segurança.



COMUNICAR ERRO

Comunique à Redação erros de português, informação ou técnicos encontrados nesta página:

  • Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente ao Portal Meio Norte
141178,noticias

Manchetes em destaque

ver todas as manchetes
Exibir em:

AKICOMPRO

Redes Sociais