Jovem é achada morta com barriga cortada e amarrada em árvore; órgãos ficaram expostos

Jovem é achada morta com barriga cortada e amarrada em árvore; órgãos ficaram expostos

Segundo o pai, estudante de enfermagem sonhava em ser bombeira.

A faxineira Sandra Rodrigues da Silva, de 37 anos, vive a dor de perder, ao mesmo tempo, a filha e o marido. Ele é mãe da estudante de enfermagem Loanna Rodrigues da Silva Costa, de 19 anos, e esposa de Joaquim Lourenço da Luz, 47, padrasto da jovem. Os dois foram encontrados mortos e amarrados a uma árvore na terça-feira (17), no Morro do Frota, em Pirenópolis, região central de Goiás. "Ainda estou em choque. Não sei como vou suportar, estou sem chão", disse Sandra.

A faxineira conta que levou a filha e o marido ao parque, onde, um dia depois, eles foram encontrados com as barrigas cortadas e alguns órgãos para fora do corpo.

"Levei eles até um pedaço e depois eles seguiram a pé sozinhos. Os dois iriam até um lugar chamado Morro da Antena para tirar as fotos. Pedi que eles me ligassem assim que terminassem. Mas foi passando o tempo e nada. Cheguei a ligar para eles, mas só deu caixa de mensagem", lembra.

Como eles estavam demorando, a mulher foi até o local para procurar os familiares. Ela não os encontrou. Então, voltou para casa e acionou o Corpo de Bombeiros, que iniciou as buscas. Os dois foram encontrados por um homem que passava pelo parque.

Sonho

O mototaxista Joeli Aparecido da Costa, pai de Loanna, também estava desolado com a morte da filha. Ele se separou da mãe da jovem há 12 anos, mas disse que mantinha contato com os filhos - Loanna tem um irmão de 17 anos.

O homem revela que a filha sonhava em ser socorrista. "O sonho dela era ser bombeira, trabalhar no Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência]. Para isso fazia faculdade de Enfermagem. Sempre gostou de cuidar das pessoas, era muito humilde, todos eram amigos dela", recorda.

Joeli afirma que o relacionamento de Loanna com o padrasto era bom e que não imagina quem possa ter cometido o crime. "Ele [padrasto] era muito bom para eles. Era um bom pai, uma excelente pessoa. Todo mundo gostava dele", destaca.

Investigação

Pertences das vítimas como celulares e uma bolsa estavam no local do crime. Uma faca também foi encontrada e pode ser a arma utilizada para cometer os homicídios.

A perícia localizou ainda uma barraca queimada a 100 metros da cena de crime. A suspeita é de que os assassinos passaram a noite no local. "Sem sombra de dúvidas, foi um crime premeditado", diz o delegado Rodrigo Luiz Jayme, responsável pelas investigações. Ele deve começar a ouvir testemunhas do caso nesta quarta-feira (18).

Os corpos de Loanna e Joaquim já foram periciados e liberados do Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis. Ainda não há previsão de data ou local do sepultamento.



Fonte: G1