Estudante é morta na porta de casa após tentativa de assalto

Estudante é morta na porta de casa após tentativa de assalto

De acordo com a família, o jovem, de 22 anos, se preparava para sair quando um dos suspeitos atirou.

Uma estudante de administração de empresas de 21 anos morreu baleada em frente à casa dela, às 21h de sábado, no Alto da Lapa (zona oeste de SP). A polícia suspeita que a jovem tenha sido vítima de latrocínio (roubo seguido de morte).

A família de Vanessa Ferreira Carobene conta que a estudante iria jantar com o namorado, que estacionou um Citroën C3 na frente da casa dela, na rua Dalton. Vanessa suspeitou de dois homens que se aproximavam.

Os vidros do carro do namorado de Vanessa, com películas escuras, estavam fechados. De acordo com a família, o jovem, de 22 anos, se preparava para sair quando um dos suspeitos atirou.

A bala quebrou o vidro, atingiu Vanessa na altura do coração e atravessou o tórax.

"Ninguém anunciou assalto ou pediu "me dá isso"", diz a aposentada Marisa Ferreira Carobene, mãe dela. "Ela só gritou e caiu no colo dele", conta o pai, Gilberto Carobene, motorista. O namorado dela foi até um batalhão da PM próximo.

O pai diz que, assim que ouviu o barulho do tiro, foi à janela, mas não viu mais o carro do genro na frente de casa. "Vi dois rapazes, um de jaqueta branca e outro de camisa preta, indo embora e rindo. Achei que tinham soltado bomba. Logo depois, vieram nos chamar para ir ao hospital", afirma.

Um vigia noturno viu a ação dos criminosos e disse aos policiais que havia mais três homens. A polícia procura por câmeras que possam ter gravado o crime.

Assustado com a insegurança, um vizinho de Vanessa contratou seguranças, ontem mesmo. "Ele nos chamou depois da morte da menina", diz um dos vigilantes.

A família de Vanessa já foi refém de bandidos em casa.

O tenente Tiago Pereira, da companhia da PM que fica no bairro, diz não haver ocorrências frequentes na rua. "É uma das regiões mais tranquilas de São Paulo", diz. Os pais de Vanessa pensam em mudar de casa ou de cidade, diz a mãe dela.

Fonte: Folha