Após estupro, delegada defende castração química

Após estupro, delegada defende castração química

No Piauí, os estupros coletivos tem aumentado especialmente no interior. Os últimos casos deixaram os piauienses indignados.

Estupros coletivos são registrados em todo o Brasil com frequência. No Piauí, esse número tem aumentado especialmente no interior. Os últimos casos deixaram os piauienses indignados. Em Curimatá, no sul do Estado, uma jovem de 16 anos e mãe de um bebê de 9 meses foi estuprada e o ex companheiro da vítima é apontado como o homem que cometeu o crime. Em Cajueiro da Praia, no litoral, a vítima foi uma mulher de 43 anos de idade. Ela foi arrastada pelos três acusados até a praia onde tudo aconteceu. Eles foram presos e estão na Delegacia de Polícia de Luís Correia.

Já na cidade de Altos, a 48 Km de Teresina, uma mulher de 44 anos de idade foi estuprada e espancada por quatro homens. O delegado Cadena Neto conseguiu prender três dos quatro acusados. ?Três foram presos em flagrante logo após cometerem o crime com os objetos furtados da casa da vítima. São acusados das agressões de estupro e das agressões física e serão encaminhados possivelmente para a Casa de Custódia?, conta.



O irmão da vítima confirma que ela foi internada no HUT e passou por cirurgia. ?O espancamento agravou o fígado, intenstino, rins e outras partes do corpo e orgão dela, que mesmo após à cirurgia, ela permanece com muitas dores?, declara o parente da vítima.

O caso de José de Freitas aconteceu com uma jovem que é portadora de deficiência física e mental, de 17 anos de idade. Os quatro jovens acusados de cometer o crime foram presos na Delegacia da cidade. Os responsáveis foram: Francisco Alex Lopes, 19 anos; João Batista Silva, de 18 anos; Rafael Siva, 19 anos e um menor de iniciais F. C. F. de 15 anos.



?Temos provas testemunhais, temos prova material, o exame que foi feito, o espermograma que foi feito e já foi constatado positivamente que houve violência sexual. Todos esses elementos probatórios serão encaminhados ao Ministério Público para que o mesmo possa apreciar e oferecer denúncia contra os acusados?, pontua o Delegado de José de Freitas.



São casos que chocam, até mesmo, as autoridades mais experientes do Estado do Piauí, como a delegada Vilma Alves. Ela defende uma pena dura para os acusados de estrupro: a castração química. ?Para mim a solução é aplicar uma injeção para que o estuprador fique incapaz, impotente. É uma forma de uma pena atualizada com uma forma de aqueles estupradores impiedosos tenham uma castração química para ao longo da vida ele sentir a pena do ato impensado, hediondo que ele praticou contra uma mulher?, defende a Delegada.

Fonte: Marcilany Rodrigues