Ex-deputado invade sala e agride professor da UFRJ

O ex-parlamentar vai ser indiciado por lesão corporal leve.

O ex-deputado pelo Mato Grosso do Sul Pedro Pedrossian Filho, de 43 anos, - que é filho do ex-governador do estado Pedro Pedrossian - agrediu o professor de filosofia André Martins, de 42, por ciúmes da mulher Ana Cássia Nogueira Vieira, de 25 anos, nesta quarta-feira (16). O ex-parlamentar vai ser indiciado por lesão corporal leve.

A agressão, que teve como testemunhas aproximadamente 100 alunos do curso de filosofia, foi durante uma aula na sala 301 do prédio do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Largo de São Francisco, no Centro do Rio.

De acordo com o professor, o ex-deputado invadiu a sala abruptamente. ?Ele me deu um soco e me derrubou no chão. Pedrossian não parou até os alunos o segurarem. Estou todo dolorido e uma mesa da sala foi quebrada?, contou Martins.

O ex-deputado foi algemado e levado para o 1ª DP (Centro), onde ainda ameaçou o professor. ?Você não vai sair livre disto, não, não vai terminar bonitinho como entrou aqui". Ana Cássia foi à delegacia prestar depoimento ao lado do marido.

Professor confessa caso, diz delegado

O delegado da 1ª DP (Centro), Cláudio Ascoli, informou que, no depoimento, o professor admitiu que teve um caso com Ana Cássia, o que André Martins negara ao ser entrevistado pelos repórteres:

"Ele (Bogossian) acredita que eu tenho um caso com a ex-mulher dele, o que não é verdade. Ela foi minha aluna no semestre passado. Apenas isso?, afirmara Martins.

Em depoimento, Pedro e Ana Cássia confirmaram que ainda são casados.

Pedrossian Fillho confessou ainda que agrediu o professor a socos por causa da mulher. O professor foi para o Instituto Médico Legal, onde fez exame de corpo de delito. Já a camisa dele foi enviada para a perícia no Instituto Carlos Éboli.

O caso será encaminhado para o Juizado Especial Criminal. Para ser liberado, o ex-deputado assinou um termo se comprometendo a comparecer sempre que convocado pela justiça.

Fonte: g1, www.g1.com.br