Ex já havia jogado bomba no salão de cabeleireira morta

Ex já havia jogado bomba no salão de cabeleireira morta

Pela Lei Maria da Penha, Fábio não poderia se aproximar de Islaine.

Gravações inéditas mostram ameaças do borracheiro Fábio Willian Soares, à ex-mulher, a cabeleireira Maria Islaine de Morais, que foi assassinada a sangue frio nesta semana, em Belo Horizonte. O ex-marido chega a falar que mataria Islaine caso perdesse o apartamento onde moravam, por causa do divórcio.

Além das gravações, o Fantástico teve acesso a um documento que mostra que Fábio chegou a jogar uma bomba no salão da vítima. Islaine fez oito queixas à polícia contra o ex-marido.

Para a defensora pública Silvana Lobo, com todos os indícios, a prisão preventiva de Fábio deveria ter sido decretada. ?É um crime de explosão, tem uma pena altíssima?, diz.

Pela Lei Maria da Penha, Fábio não poderia se aproximar de Islaine. Mas a borracharia onde trabalhava ficava a menos de 50 m do salão da ex-mulher. Dos três pedidos de prisão feitos pelo advogado da vítima, nenhum foi aceito.

?A culpa pela série de crimes de violência doméstica que não são apuradas e que as vítimas continuam sendo agredidas é do poder público?, argumenta o advogado da família de Islaine, Fernando Nascimento dos Santos.

De acordo com Silvana Lobo, mesmo que seja estabelecida uma distância entre a vítima e o agressor, não há estrutura no país para fazer a fiscalização do cumprimento da lei.

Fonte: g1, www.g1.com.br