Falsos policiais matam casal no PR

Os estudantes de 24 e 21 anos foram encontrados mortos na madrugada de 21 de abril,

A morte de dois estudantes após uma festa de neonazistas, na região metropolitana de Curitiba, foi planejada por integrantes do próprio movimento, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SSP-PR). A polícia relatou que os criminosos simularam uma briga de namorados e se passaram por policiais para matar o casal.

Os estudantes de 24 e 21 anos foram encontrados mortos na madrugada de 21 de abril, na altura do quilômetro 6 da BR-116, em Quatro Barras (PR). Seis pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no crime. Elas vão responder por homicídio qualificado e formação de quadrilha e podem pegar até 72 anos de prisão.

Segundo as investigações, o crime foi motivado por divergências políticas e disputa de poder dentro de um grupo neonazista. O homem apontado como chefe do movimento neonazista no Brasil, suspeito de envolvimento no crime, queria substituir o líder no Paraná e retomar o controle. Para isso, segundo a polícia, mandou matar o rapaz que exercia a função.

O casal teria participado de uma festa em uma chácara, em celebração do aniversário do ditador alemão Adolf Hitler. De acordo com a SSP-PR, os suspeitos planejaram a saída do casal, para matá-lo. "Eles assassinaram premeditadamente e friamente dois jovens por motivos incrivelmente banais", afirmou o secretário de Segurança do Paraná, Luiz Fernando Delazari.

Em São Paulo, foi preso na sexta-feira (1º) o homem suspeito de ser o chefe de um movimento neonazista no Brasil. Foram cumpridos mandados de busca no apartamento de luxo do suspeito e em duas residências de outros integrantes do grupo no bairro de Moema, na Zona Sul da capital paulista. De acordo com a polícia, foram encontrados computadores, fotos, pen drives e máquinas fotográficas com conteúdos nazistas.

A polícia disse ter encontrado uma das armas usadas no crime - uma pistola 9 mm com registro da Polícia Federal da Argentina. Ao todo, foram cumpridos 16 dezesseis mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Fonte: g1, www.g1.com.br