Falta de corpo é principal arma da defesa de Bruno

Falta de corpo é principal arma da defesa de Bruno

Julgamento dos acusados no caso Eliza Samudio começam nesta segunda-feira

A falta de um corpo que comprove a morte da vítima deve ser a principal arma a ser empregada pela defesa dos cinco acusados que, na manhã desta segunda-feira (19), começam a ser julgados no Fórum Doutor Pedro Aleixo, em Contagem (região metropolitana de Belo Horizonte), pelo desaparecimento de Eliza Samudio, ocorrido em 2010.

É o que diz Zanone Júnior, advogado de um dos réus, Bola, recém-inocentado de outro crime, acontecido dez anos antes, em 2000. "Ele foi absolvido de um crime em que havia um corpo", disse Zanone Júnior. "Esse agora da Eliza nem corpo tem."

O desaparecimento de Eliza Samudio provavelmente teria entrado para a crônica policial como mais um caso anônimo, sem corpo nem solução, se não tivesse entre os acusados um personagem que imediatamente chamou a atenção do público em todo o Brasil: Bruno de Souza Fernandes, 27 anos, o Bruno, goleiro titular e capitão da equipe principal de futebol do Flamengo do Rio.

Desde que o nome de Bruno emergiu como o principal suspeito pelo sumiço de Eliza, foi desfraldado um enredo ?ainda inacabado- repleto de reviravoltas, declarações polêmicas, versões fantasiosas, pistas falsas e até morte que ainda provoca perguntas, por enquanto, sem respostas: Bruno mandou matar Eliza? Onde está o corpo? Eliza pode estar viva?

A partir desta segunda, Bruno e quatro réus presenciarão em Contagem versões do caso -e de fatos a ele relacionados- narradas por advogados e testemunhas. Ao cabo de duas semanas, tempo previsto para terminarem os trabalhos de defesa e acusação, sete jurados definirão se os cinco réus são culpados ou inocentes. A juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, do 1º Tribunal do Júri de Contagem, conduzirá o andamento das coisas.

Fonte: UOL