Família de vítima teme falar sobre caveira encontrada no residencial Dilma Rousseff

Família de vítima teme falar sobre caveira encontrada no residencial Dilma Rousseff

Vizinhos e amigos temem represália e não querem interferir as investigações da polícia, por esta razão, não dizem nada

Uma caveira humana encontrada no último domingo, 02, atrás de uma residência no residencial Dilma Rousseff, zona norte de Teresina em um terreno baldio e cheio de mato são de João Francisco Santos Carvalho Filho, desaparecido desde dezembro de 2013. O fato representa para a polícia uma preocupação constante com as formas bárbaras de homicídio que vêm ocorrendo em Teresina.

Os suspeitos já estão na mira da polícia. Vizinhos e familiares evitam falar sobre o assunto por medo de represália. João, como era conhecido, segundo informações, participava de constantes brigas motivadas pelo uso de álcool.

O restante do corpo da vítima foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML) ainda na manhã de desta quarta-feira, 05, para novos exames.

Outro caso semelhante ocorreu no município de Piracuruca na quarta-feira, 26, no povoado Jacaré, a 15 km da zona urbana. O crânio foi encontrado por moradores dentro de uma sacola. As suspeitas apontam para esquartejamento. A polícia cogita a possibilidade de crime passional e já está na investigação do caso.

O tenente coronel Márcio, da Coordenadoria Geral de Operações da Polícia Militar, assegura que o residencial Dilma Rousseff é uma área de difícil policiamento. ?Pelo estado avançado do crânio, já faz algum tempo que ele está lá?. Em relação ao ocorrido o tenente afirma que somente a Polícia Técnica e a Delegacia de Homicídios poderão dar mais informações sobre o fato.

FOTOS PRODUZIDAS POR EFRÉM RIBEIRO





















Fonte: Denison Duarte