"Fantástico" distorceu depoimento de Macarrão, diz advogado

Macarrão já havia prestado depoimento à Comissão de Direitos Humanos

O advogado Wasley Vasconcelos, que defende Luiz Henrique Romão, o Macarrão, um dos acusados pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio, entrou com um requerimento no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), nesta segunda-feira, pedindo uma cópia da entrevista exibida no domingo pelo programa Fantástico, da TV Globo. Segundo Vasconcelos, as declarações feitas por Macarrão ao programa foram destorcidas pela emissora.

De acordo com ele, o depoimento de Macarrão durou cerca de duas horas, mas a edição ocultou declarações importantes que seu cliente teria dito. Vasconcelos disse ainda que pediu uma cópia sem cortes para anexar ao processo. "O que eles (Globo) fizeram dá margem para novas interpretações da acusação, isso pode prejudicá-lo", disse.

O advogado afirmou também que, na entrevista, Macarrão teria dito que quando trouxe Eliza e o adolescente J. - primo do ex-goleiro Bruno - do Rio de Janeiro a Belo Horizonte (MG), eles teriam dado carona a um policial militar até a cidade de Juiz de Fora, no interior de Minas. "Se ele (Macarrão) tivesse que temer alguma coisa, porque ele daria carona para um policial?", indagou.

Segundo Vasconcelos, a edição do programa também prejudicou seu cliente ao fazer cortes em um trecho em que Macarrão fala de Bruno. "No que foi ao ar, a edição mostra o Luiz Henrique falando que ama o Bruno, mas corta o resto da frase, em que ele diz que não seria capaz de matar ninguém pela amizade", explicou.

Na entrevista que deu ao Fantástico, o amigo do goleiro afirmou que não tem envolvimento com o desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Ele afirmou que entregou R$ 30 mil a Eliza, a deixou em um ponto de táxi e foi embora.

Macarrão já havia prestado depoimento à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem (MG), no dia 21 de julho deste ano. Na ocasião, o amigo de Bruno também negou as acusações.

Fonte: Terra, www.terra.com.br