Faxineira é acusada de sequestrar e matar cientista milionário

Amigos do cientista ligaram para a polícia avisando ele tinha desaparecido.

Uma faxineira foi acusada da morte de um cientista nuclear aposentado no Estado de Kentucky, Estados Unidos, cujo corpo foi encontrado queimado e abandonado em um campo.

Walter Sartory, de 73 anos, morava na cidade de Hebron. Cientista tido como brilhante, ele também sofria de paranoia e esquizofrenia e tinha acumulado uma fortuna estimada em US$ 14 milhões (mais de R$ 24 milhões) com investimentos em ações em que usava cálculos matemáticos complicados.

Segundo o jornal Los Angeles Times, levava uma vida isolada. No entanto, a faxineira Willa Blanc, de 48 anos, insistia em oferecer seus serviços ao cientista, recolhia sua correspondência e, com a ajuda do filho Louis Wilkinson, 28 anos, limpava a neve da entrada da casa de Sartory.

Mas, em fevereiro de 2009, amigos do cientista ligaram para a polícia avisando ele tinha desaparecido.

A polícia de Kentucky diz que naquele mesmo mês Willa Blanc sequestrou o cientista e o manteve sob efeito de drogas, preso com fita adesiva a uma cadeira no porão de sua casa durante cerca de uma semana antes da morte de Sartory.

O cientista tomava medicamentos para seus problemas mentais. Mas, durante o sequestro ele ficou sem seus comprimidos durante vários dias nos quais, segundo o jornal Los Angeles Times, teria vomitado várias vezes, o que teria dificultado sua respiração.

O Los Angeles Times afirma que ainda não se sabe quando Sartory morreu, mas Wilkinson informou que eles guardaram o corpo do cientista em uma lata de lixo na garagem de casa durante dois dias, antes de levar o corpo para o Estado de Indiana e queimá-lo.

A polícia informou que, antes de morrer, o cientista deu a Willa Blanc sua senha de computador e uma procuração para que ela operasse sua conta bancária e seus investimentos.

Blanc já teria gastado US$ 210 mil (mais de R$ 364 mil) e esperava conseguir outros US$ 7 milhões (cerca de R$ 12 milhões).

"Pensar que um homem que já era paranoico, que viveu toda sua vida com medo dos outros, pode ser vítima de algo tão horrível, é doloroso", afirmou a promotora Linda Tally Smith ao Los Angeles Times.

Os promotores vão pedir a pena de morte para Willa Blanc, mas ainda não decidiram qual será a pena pedida para seu filho.

Fonte: g1, www.g1.com.br