Filha de casal Matsunaga dormia em quarto durante morte de executivo, diz a polícia

Filha de casal Matsunaga dormia em quarto durante morte de executivo, diz a polícia

Advogado diz que babá estava no imóvel na manhã do esquartejamento

A filha do casal Matsunaga, de 1 ano, estava no apartamento na noite em que ocorreu a morte do diretor-executivo da Yoki Marcos Kitano Matsunaga, em 19 de maio, de acordo com a Polícia Civil. A criança estava dormindo em um dos quartos quando o executivo levou um tiro na cabeça após discutir com sua mulher, a bacharel em direito Elize Araújo Kitano Matsunaga, segundo confissão dela à polícia. Peritos realizaram uma reconstitução do crime na noite desta quarta-feira (6).

A babá havia sido dispensada por Elize horas antes do crime. "A nova babá chegou às 5h e não percebeu nada", afirmou nesta quinta-feira (7) o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carlos Carrasco. Em nenhum momento os vizinhos foram procurados pela bacharel em direito, afirma Carrasco.

A criança acordou por volta das 6h30, segundo o advogado da família da vítima, Luiz Flávio D"Urso. Neste horário, a nova babá já havia chegado e estava no quarto para cuidar da menina. "No momento em que houve o disparo, estavam os três no apartamento?, disse D?Urso, referindo-se ao casal e à filha.

?Depois que chegou essa babá, na manhã do dia seguinte, é que a Elize foi para o quarto onde estava Marcos [diretor da Yoki]. Foi aí que, até segundo a própria confissão, ela começou o esquartejamento?, disse D"Urso.

A criança ficou com a babá no apartamento durante as 12 horas em que Elize esteve fora do prédio, no dia 20 de maio, afirma o advogado. A bacharel, que também é técnica em enfermagem, saiu levando três malas contendo as partes do corpo do diretor-executivo.

A polícia não divulgou se já colheu o depoimento das duas babás - a que foi dispensada no dia 19 de maio e a que chegou na manhã do dia 20. Nesta quinta-feira (7), ainda de acordo com o advogado D"Urso, a filha do casal estava no apartamento onde ocorreu o crime, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo. ?Como já houve a perícia, o apartamento foi liberado?, disse. A criança estava no local sob os cuidados de uma tia materna e passava bem.

O advogado afirmou que os familiares de Marcos ainda não pararam para discutir se irão pedir a guarda da criança. Segundo D?Urso, eles estão aguardando o final das investigações policiais para pensar no assunto.

Fonte: G1