Filha de empresário alemão morto em Paraty está no Rio de Janeiro

Corpo será liberado segunda; inquérito da Capitania dos Portos deve ficar pronto em Abril

Já está no Brasil uma filha do empresário alemão Christian Wölffer, que teria sido atingido por uma pequena embarcação no Saco de Mamanguá, na quarta-feira (31), em Paraty, no Litoral Sul Fluminense. O corpo do empresário está sendo embalsamado em um laboratório em Inhaúma, na Zona Norte do Rio. Segundo um dos técnicos que trabalha na clínica, o corpo só deve ser liberado na segunda-feira (5).

O inquérito da Capitania dos Portos só deve ficar pronto em abril. Segundo testemunhas, o alemão Christian Wölffer estava nadando, quando foi atingido por um barco. O dono da embarcação, que ainda não identificado, fugiu sem prestar socorro. O empresário sofreu ferimentos graves nas costas e foi levado ao hospital por banhistas, mas já chegou sem vida.

Polícia investiga informações

A polícia recebeu até agora cinco informações que podem esclarecer a morte do empresário. Segundo o investigador Luiz Carlos dos Anjos Batista, da 167ª DP (Paraty), policiais estão fazendo buscas neste sábado (3) para confirmar as informações, que chegaram também pelo Disque-Denúncia. Até agora, apenas uma testemunha foi ouvida pela polícia: o empresário paulista José Kallil Filho, que ajudou a socorrer o empresário alemão em seu bote.

Fernanda pegou caiaque para prestar socorro

Ainda de acordo com o investigador, os atores Rodrigo Hilbert e Fernanda Lima, que ajudaram a socorrer Christian Wölffer no dia do acidente, estão muito abalados e não têm condições de prestar depoimento neste fim de semana. O casal e o empresário alemão estavam hospedados na mesma casa.

?Eles contam que estavam conversando e o Christian disse que daria um mergulho. Então ouviram gritos de socorro. A Fernanda pegou um caiaque e foi a primeira a vê-lo, enquanto o Rodrigo foi a nado?, contou o investigador. ?Eles estão muito abalados, começam a chorar ao tocar no assunto. Ainda não foram ouvidos na delegacia porque não têm condições de prestar depoimento?.

Data será marcada na segunda

Rodrigo e Fernanda informaram ao investigador, que esteve na casa onde estão hospedados neste sábado (3), que pretendem retornar ao Rio ainda neste fim de semana. A polícia entrará em contato com o casal de atores na segunda-feira (5) para marcar uma data para o depoimento, que pode ocorrer no Rio ou em Paraty. O proprietário da casa também será ouvido.

?Eles estão dispostos a vir (a Paraty), mas o delegado também pode tomar o depoimento no Rio?, disse o investigador.

O delegado Alessandro Petralanda, da 167ª DP (Paraty), disse que o responsável vai responder criminalmente por homicídio culposo podendo pegar 3 anos de prisão. Em caso de omissão de socorro quando resulta em morte, a condenação é de 1 ano e meio ou multa.

Ainda segundo o delegado em entrevista ao RJ TV, "a princípio foi imprudência de quem estava na embarcação porque estava muito próximo à costa e acabou atropelando uma pessoa que estava se banhando".

A Capitania dos Portos determinou a abertura de um inquérito para investigar a morte do empresário. Segundo o capitão Wilson Pereira de Lima, mesmo sem o laudo oficial do Instituto Médico Legal, as suspeitas levam a crer que o estrangeiro foi atingido por uma embarcação.

?Como há suspeita de que houve um acidente decorrente de um choque com embarcação, eu determinei a abertura para apurar os fatos. O inquérito será conduzido por um agente da Capitania em Paraty?, disse o capitão.

Segundo a Capitania dos Portos, o laudo do IML será fundamental para esclarecer o tipo de embarcação que atropelou o empresário.

Ator que socorreu empresário está "chocado"

Por meio de sua assessoria de imprensa, os atores Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert disseram que estão "muito tristes e chocados" com a morte do empresário alemão Christian Wölffer.

"Estamos muito tristes e chocados, foi uma brutalidade. Fizemos o que podíamos, mas, para nossa perplexidade e impotência, nada mais poderia ser feito", disseram os atores em comunicado divulgado pela assessoria.

Inspeções

Em nota oficial, a Agência da Capitania dos Portos em Paraty informou que, freqüentemente, tem realizado inspeções navais nas proximidades das praias, coibindo rigorosamente o uso de embarcações motorizadas na faixa de 200 metros, exclusiva para banhistas. A previsão de conclusão do inquérito é de até 90 dias.

De acordo com a Capitania dos Portos, o estrangeiro chegou a ser levado para o Hospital Santa Casa de Misericórdia, mas não resistiu. Ele estava hospedado em uma casa na região para as festas de fim de ano.

Laboratório diz que empresário teve dois cortes das costas

O Laboratório Técnico de Embalsamamento e Formolização, responsável por embalsamar o corpo de Christian Wölffer, informou que o atestado de óbito aponta que o empresário sofreu anemia aguda por hemorragia interna.

De acordo com o laboratório, o corpo de Christian Wölffer apresenta dois cortes transversais nas costas, provavelmente causados por hélices de embarcação. A embalsamação do cadáver começou na sexta-feira e deve durar mais de 72 horas.

Empresário de vinhos

Christian Wölffer morava nos Estados Unidos onde tinha um dos vinhedos mais conhecidos do mundo, nos Hamptons, em Nova York. Ele conta em seu site que herdou do pai a paixão pelo vinho, e que não tinha experiência neste ramo quando começou o negócio, em 1987.

Fonte: g1, www.g1.com.br