"Fiz tudo para livrar ele das drogas", diz pai que matou filho

Crime ocorreu na sexta-feira (6), em Sarandi, no norte do Paraná

O pai de 66 anos que matou o próprio filho, de 33, para defender a esposa na sexta-feira (6), em Sarandi, no norte do Paraná, se entregou à polícia por volta das 9h desta segunda-feira (9). Segundo a Polícia Civil, o rapaz foi morto após tentar agredir a mãe com uma faca. Para defender a mulher, o pai, João José dos Santos, entrou em luta corporal com o jovem e ele acabou morrendo. João vai responder em liberdade por lesão corporal seguida de morte, segundo o delegado José Maurício de Lima Filho.

Em entrevista ao G1, bastante emocionado, Santos afirmou que está arrependido e disse que fez de tudo para tentar livrar o filho do mundo das drogas. "Eu não tenho palavras para dizer o que estou sentindo (...), não desejo isso para ninguém. A única coisa que posso afirmar é que eu fiz de tudo para livrar meu filho da situação das drogas, mas as brigas eram inevitáveis e desta vez acabou acontecendo essa tragédia. Eu tenho que trabalhar o dia todo para sustentar a família, não tinha como ficar monitorando ele o dia todo".

O pai disse também que não sabe como o filho se tornou usuário. "Eu nunca via ele consumindo nem comprando, mas me disseram que ele usava vários tipos de drogas. Ele chegava em casa revoltado com tudo e descontava em todo mundo. Uma noite antes de acontecer a briga, ele, além de ameaçar a própria mãe, disse que queria a minha "pele" a e do irmão dele".

"O que sinto agora é uma tristeza que não sei descrever o tamanho. Só Deus sabe o que eu e minha família estamos passando. Estou com vergonha de me apresentar perante a sociedade. Eu entrego o meu caso nas mãos de Deus, ele sabe julgar o que é certo ou errado", ressaltou João.

O delegado afirmou que esse foi o primeiro caso em que um pai matou um filho na cidade. "Problemas de família com relação às drogas acontecem muito, quase que diariamente. Esse senhor é do bem. Ele não vai ficar preso porque não houve flagrante e não havia nenhum mandado de prisão contra ele".

Fonte: G1