"Foi desespero", diz pai que fez parto da filha

A mãe da menina estava sentada numa cadeira da maternidade e a família reclama do atendimento

Passado o susto, o pintor de carros José Roberto de Oliveira Melo, de 31 anos, fala com alívio: ?é uma sensação inexplicável você ter sua filha nos braços?. Melo realizou o parto de Roberta Vitória, na segunda-feira (2), na sala de espera de um hospital municipal em Santos, a 72 km de São Paulo. Ele não teve ajuda de médicos. A unidade de saúde alegou que sua mulher, Josete Jesus da Silva, 26, não seria internada porque havia esquecido documentos.

A mãe da menina estava sentada numa cadeira da maternidade e a família reclama do atendimento. A Secretaria de Saúde da cidade abriu sindicância para apurar a denúncia. Um parente do casal filmou o nascimento de Roberta com um aparelho de telefone celular.

O caso ocorreu na Maternidade Silvério Fontes. Na tarde de quinta (5), Melo acariciava a esposa e a bebê, que dormia. O casal estava na casa da sogra dela, em Santos, mas mora em São Vicente, cidade vizinha. ?Eu tive medo. Só fiquei tranqüila, quando vi a criança nos braços dele?, disse Josete, que tem dois filhos, de 6 e 8 anos.

Segundo Melo, a médica que fez o primeiro atendimento criou problemas porque Josete estava sem os documentos e, por isso, não poderia ser internada. O próprio pintor de carros contou que pegou a moto e foi correndo buscar a identidade de Josete. Só deu tempo de chegar ao hospital e ver a mulher sentada, em trabalho de parto.

?Na hora foi uma adrenalina e depois veio o constrangimento. Eu gritava, pedia socorro. A sensação era de nervoso porque eu não sabia o que fazer. Não foi nem coragem. Foi desespero?, relatou o pai de Roberta Vitória, que nasceu com 2,7 kg. Para ele faltou ?sensibilidade? por parte dos médicos.

?Eu estava sem higienização nas mãos, não tinha preparo para nada?, contou. O parto foi gravado pelo irmão de Melo, como forma de a família provar que Josete não foi acomodada de forma correta. Segundo a direção do hospital, ela não estava na recepção e sim em uma sala de pré-atendimento, antes de ir para o centro cirúrgico. Melo admitiu que houve certa surpresa e ?pressa? na chegada de Roberta Vitória, já que Josete deveria ter feito uma cesariana só no dia 9, uma semana depois.



Parto rápido

A Secretaria Municipal de Saúde informou que apura o caso. A família da pequena Roberta Vitória quer saber por que a médica deixou a mãe da criança em uma cadeira, mesmo após ter visto sua dilatação, e saído da sala. ?A gente precisa investigar o que ocorreu?, informou na tarde desta quinta Jocele Batista Pereira, coordenadora do Departamento de Atendimento Pré-Hospitalar e Hospitalar de Santos.

Ela confirmou que a obstetra examinou a paciente, verificou que ela tinha dilatação de 9 cm, suficiente para dar à luz, e até a deixou no soro. Jocele só não soube dizer por que motivo a gestante não seguiu de maca do consultório direto para a sala de parto.

Ela disse que os envolvidos no caso, inclusive a família da criança, serão ouvidos nesta sindicância. Jocele negou que a falta de documentos tenha sido o motivo para a possível demora no atendimento de Josete. ?Isso não impede o atendimento; tanto que ela foi medicada?.

Apesar de ter nascido em condições fora do ideal, Roberta Vitória nem precisou seguir para a Unidade de Terapia Intensiva para recém-nascidos. O diretor da maternidade, Marcos Sérgio Duarte, disse que a menina tomou antibiótico por dois dias, seus exames atestaram condição de ?normalidade?. ?A criança não teve sofrimento durante o parto?, garantiu o pediatra.

Fonte: g1, www.g1.com.br