Força Nacional quer minimizar crise da Segurança Pública no Piauí

O principal objetivo é atenuar a criminalidade crescente, que, entre outros fatores, tem o déficit policial como um dos principais atenuantes

A Força Nacional está em operação em Teresina desde a segunda-feira (16), e manteve ações ostensivas de ronda e apreensões também durante a tarde e a noite de terça-feira (17) e madrugada de hoje. Essa ação tem como objetivo controlar a Crise da Segurança Pública, com a apreensão de armas e drogas.


O trabalho da Força Nacional agiu em diversos pontos da cidade. Na Avenida Maranhão, que começou a montar guarda às 16h de ontem, eram 7 guarnições e 25 homens. "Faremos rondas, apreensões e vamos manter a ordem da cidade. Queremos retomar a sensação de tranquilidade das pessoas", declara o tenente Miguel Luz.

Ao todo, um contingente de 90 homens está atuando em Teresina. A solicitação do grupo especial foi feita pelo governador Wellington Dias ao Ministério da Justiça, logo no início de seu mandato. O principal objetivo é atenuar a criminalidade crescente, que, entre outros fatores, tem o déficit policial como um dos principais atenuantes.

Basta lembrar que, segundo levantamento da Polícia Militar do Piauí, atuam no Estado cerca de 5.200 policiais militares. Destes, 2.800 estão em Teresina e 2.400 são responsáveis pelo policiamento em todos os outros municípios.

Com cerca de 840.600 habitantes na capital, de acordo com Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2014, a capital possui três policiais para cada 1.000 teresinenses. O recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU) é de um para cada 250, ou quatro policiais por mil civis.

Foto: Kelson Fontinele

Fonte: Virgínia Santos e Lucrécio Arrais