16 presos fogem da Casa de Custódia em Teresina

Os presos utilizaram a fragilidade da estrutura para fugirem.

A Polícia Militar, através da RONE (Rondas Ostensivas de Natureza Especial) e do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) foram chamados para ir até a Casa de Custódia com urgência porque houve uma fuga em massa no presídio na zona Sul de Teresina e 16 detentos conseguiram sair do local.

Os fugitivos respondem por crimes como assassinatos, latrocínio (roubo seguido de morte), estupros e assaltos.

Os agentes da penitenciária descobriram que os presos utilizaram a fragilidade da estrutura da Casa de Custódia, deteriorada na rebelião ocorrida há uma semana atrás, para fugirem. Os policiais só perceberam a fuga depois que ela ocorreu, no início da noite deste sábado (28).

Os policiais militares e o Serviço de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública se deslocaram até a rodovia BR-316 e nos bairros próximos a Casa de Custódia como Parque Sul e Portal da Alegria tentando recapturar os presos.

O coronel Luiz Antônio Pitombeira, diretor da divisão de inteligência e proteção externa da Secretaria Estadual de Justiça afirmou que os presos fugiram às 18h de sábado, da Casa de Custódia em Teresina. Segundo ele, a polícia militar já recuperou seis presos que fugiram.

Ele disse ainda que os presos tiveram acesso a laje da Casa de Custódia em Teresina aproveitando um buraco que eles tinham feito durante rebelião ocorrida há duas semanas. O buraco já tinha sido tampado por uma chapa de metal parafusada mas os presos, utilizando algum tipo de mecanismo, conseguiram levantar a chapa, entraram para a parte superior da penitenciária levaram água e comida e esperaram o momento oportuno para fugirem.

Os presos são do pavilhão H. A polícia vai fazer o levantamento da ficha criminal dos fugitivos e divulgar para a imprensa com os respectivos nomes e fotos.

“A fuga não teve um líder, eles estão presos sempre procurando oportunidade para fugir. Eles só pensam em sair, se é pela porta da frente, seja por trás. Na rebelião nós colocamos uma placa no buraco que eles fizeram, mas eles quebraram a laje com o ferro aí o mecanismo conseguiu forçar o metal, furaram os parafusos e foram para a parte de cima da Casa de Custódia. Ninguém percebeu porque a parte de cima fica entre a laje e a parte onde fica a guarda. Lá é um corredor que ninguém tem acesso. Eles aproveitaram que a estrutura estava frágil para abrir o buraco e fugirem”, declarou o coronel.

Fonte: Efrém Ribeiro