Funcionário do TJ é preso por venda de sentenças

Um funcionário do TJ (Tribunal de Justiça) de Alagoas e um advogado são presos

Um funcionário do TJ (Tribunal de Justiça) de Alagoas e um advogado tiveram a prisão decretada na noite desta quarta-feira (24) pelos juízes da 17ª Vara Criminal da Capital. Eles são acusados de integrarem um esquema de venda de sentenças. O pedido de prisão foi feito pelo MPE (Ministério Público Estadual).

Segundo o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas ? integrante do MPE e autor da solicitação à Justiça ? o pedido foi feito porque existem indícios de que os dois estavam atrapalhando as investigações dos promotores sobre o suposto esquema que envolveria vários integrantes do judiciário.

Flávio Baltar Maia é funcionário do TJ, lotado no gabinete do desembargador Washington Luiz. Filho do ex-presidente do TJ e desembargador aposentado Jairon Maia Fernandes, ele aparece em gravações telefônicas entregues à Justiça supostamente negociando sentenças judiciais. Três desembargadores e juízes alagoanos são citados nas conversas.

Já o advogado Fernando Costa, que chegou a ser candidato a desembargador durante o quinto constitucional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em 2009, seria citado nas gravações como uma espécie de ?facilitador? do negócio. Ele é um dos profissionais mais conhecidos e requisitados do Estado. Nenhum dos dois acusados se pronunciou sobre as denúncias.

Acompanhado de advogados, os dois se entregaram na sede do Corpo de Bombeiros Militar por volta das 20h30, onde devem permanecer detidos. Nenhum deles conversou com os jornalistas na chegada. Até as 22h desta quarta-feira, os advogados ainda permaneciam na sede do Corpo de Bombeiros e também não prestaram esclarecimentos.

A presidente do TJ, Elisabeth Carvalho, informou que não tinha conhecimento da decisão de prender os acusados, e contou que uma comissão investiga internamente o suposto esquema. O processo está a cargo dos desembargadores Pedro Augusto Mendonça, Alcides Gusmão e Otávio Praxedes.

No dia 25 de fevereiro, Carvalo levou as gravações com as ?denúncias gravíssimas? ao presidente do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Gilmar Mendes. Cópias das gravações já haviam sido entregues à Polícia Federal.

As gravações teriam sido feitas e entregues às autoridades pelo ex-delegado Wladney José da Silva, que mantém os diálogos com Flávio. Ele está detido na Casa de Custódia de Maceió há pouco mais de um mês, acusado de ameaçar, por meio de uma carta assinada, o desembargador Tutmés Airan. Wladney tenta reaver judicialmente o cargo na Polícia Civil de Alagoas.

Já a família do ex-delegado tenta reverter na Justiça um imóvel vendido numa das principais ruas do Centro de Maceió. Segundo familiares, o comprador não teria honrado com as parcelas do pagamento. O caso ainda está sendo analisado pelo TJ, num processo que tem a relatoria de Tutmés Airan.

Fonte: Ascom