Portal meionorte.com BETA

MENU
••• atualizado em 04 de Agosto de 2012 às 14:08

Após punição por erro disciplinar, Bruno recebe visita da noiva

PUBLICADO POR

Andre Nascimento


Repórter
Após punição por erro disciplinar, Bruno recebe visita da noiva
Goleiro Bruno chora durante depoimento na Assembleia de Minas Gerais. Foto: Alex de Jesus/O Tempo
Compartilhar:

O goleiro Bruno Fernandes, acusado da morte de Eliza Samudio, já pode retomar a rotina na Penitenciária Nelson Hungria, voltando a trabalhar, receber visitas e tomar banho de sol. De acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds), a punição que cortava os benefícios por 20 dias, terminou neste sábado (4), e o atleta já recebeu a visita da noiva Ingrid Oliveira.

Bruno cumpriu o prazo determinado, após enviar uma carta ao público por meio do advogado dele. O ato foi considerado erro disciplinar. A secretaria informou que, nesta segunda (6), o goleiro poderá ter duas horas de banho de sol e fazer a limpeza do presídio, atividade pela qual recebe três quartos de salário mínimo. Haverá desconto na remuneração pelo tempo em que ficou parado.

A secretaria entendeu que Bruno cometeu erro disciplinar ao ignorar as regras de segurança e enviar, fora dos trâmites legais, uma carta ao público externo à unidade, por meio do advogado Rui Pimenta. Outra carta assinada pelo jogador foi divulgada pela imprensa no dia 7 de julho. A punição também está relacionada com este fato, segundo a secretaria.

Até a publicação desta reportagem, o advogado Rui Pimenta, que havia declarado que a punição era rigorosa, não foi encontrado para comentar sobre o retorno do cliente à rotina do presídio. O defensor chegou a protocolar uma representação na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pedindo a suspensão da punição e o afastamento temporário dos agentes penitenciários que impuseram a penalidade.

Carta para Macarrão

A edição da revista ?Veja? do dia 7 de julho publicou outra carta de autoria do goleiro, segundo a defesa de Bruno. O texto, que era endereçado a Luiz Henrique Romão, o Macarrão, citava um "plano B". Os advogados Rui Pimenta e Francisco Simim visitaram o jogador nesta segunda-feira (9) na Penitenciária Nelson Hungria, quando o jogador confirmou ter escrito a mensagem e explicou seu teor.

"O que o Bruno quis ressaltar é que assumir o "plano B" era uma obrigação do Macarrão, porque o Macarrão havia traído Bruno quando sumiu com a Eliza", justificou Pimenta. Segundo o advogado, Eliza foi morta sem o consentimento do jogador. Pimenta alega que a carta foi redigida em novembro do ano passado e veio a público com o final apagado, dando margem a distorções. Ele afirmou que, no trecho final Bruno disse ter escrito: "Macarrão, você tem realmente que assumir este crime porque eu não posso pagar por sua traição. Eu não mandei você sumir com a Eliza", relatou.

A Secretaria de Estado de Defesa Social informou que a carta escrita pelo goleiro não consta nos registros de correspondências enviadas e recebidas por detentos da Penitenciária Nelson Hungria. De acordo com a Seds, o atleta disse, em depoimento na unidade prisional nesta segunda, que pediu para outro preso entregar a mensagem ao amigo. A Seds informou ainda que a penitenciária dará continuidade ao procedimento de apuração para checar como a carta saiu da unidade prisional. As informações levantadas serão remetidas à Justiça.

Caso Eliza Samudio

O goleiro Bruno Fernandes e mais sete réus vão a júri popular no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Para a polícia, Eliza foi morta em junho de 2010 na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e o corpo nunca foi encontrado. Em fevereiro de 2010, a jovem deu à luz um menino e alegava que o atleta era o pai da criança. Atualmente, o menino mora com a mãe de Eliza, em Mato Grosso do Sul.

O goleiro, o amigo Luiz Henrique Romão ? conhecido como Macarrão ?, e o primo Sérgio Rosa Sales vão a júri popular por sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Sérgio responde ao processo em liberdade. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Dayanne, ex-mulher do goleiro; Wemerson Marques, amigo do jogador, e Elenílson Vítor Silva, caseiro do sítio em Esmeraldas, respondem pelo sequestro e cárcere privado do filho de Bruno. Já Fernanda Gomes de Castro, outra ex-namorada do jogador, responde por sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho dela. Eles foram soltos em dezembro de 2010 e respondem ao processo em liberdade. Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi inocentado.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), não há previsão de data para o julgamento do caso Eliza Samudio.

COMUNICAR ERRO

Comunique à Redação erros de português, informação ou técnicos encontrados nesta página:

  • Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente ao Portal Meio Norte
176425,noticias

Manchetes em destaque

ver todas as manchetes
Exibir em:

AKICOMPRO

Redes Sociais