Grupo invade fábrica de joias e foge levando 9 reféns; 3 dos bandidos morreram na ação

Grupo invade fábrica de joias e foge levando 9 reféns; 3 dos bandidos morreram na ação

Dois policiais foram feridos e levados ao hospital, mas não correm risco.

Para o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, a prioridade no caso do assalto a uma fábrica de joias na Serra é a integridade física dos reféns levados pelo grupo de criminosos foragidos. Segundo a polícia, nove pessoas ainda estão em poder dos assaltantes que explodiram o estabelecimento em Cotiporã durante a madrugada deste domingo (30). Na ação, foi morto o homem mais procurado do estado, Elisandro Falcão, conforme a polícia.

Além do assaltante, morreram outros dois suspeitos. Dois policiais foram feridos e levados ao hospital, mas não correm risco. Entre os reféns estão uma família e uma criança de cinco anos, de acordo com informações da polícia. Duas mulheres que estavam em um bar também foram levadas. A suspeita é de que os reféns estejam escondidos em uma mata.

Cerca de 200 policiais trabalham nas buscas, com o helicóptero da Brigada Militar de Passo Fundo. Os assaltantes fugiram em um Astra, um Audi e um Fiat Strada, onde teriam sido levados os reféns. "Ainda não sabemos o total de criminosos. Além dos três mortos, acreditamos que há quatro ou cinco que estão foragidos", disse o comandante da Brigada Militar, coronel Sérgio Abreu.



O governador do estado afirmou que serão utilizados todos os meios operacionais disponíveis para solucionar o caso e que é preciso ?um comando tranquilo? na ação. ?A prioridade das prioridades é cuidar da vida dessas pessoas. O comando deve ser tranquilo. Vamos contar com a capacidade da nossa Brigada Militar para que isso tudo termine bem?, disse Tarso Genro, em entrevista à Rádio Gaúcha na manhã deste domingo.

Foi morto em confronto com a Brigada Militar na madrugada deste domingo (30) o assaltante mais procurado do Rio Grande do Sul. Segundo a polícia, o homem conhecido como Falcão, de 31 anos, participou de um assalto a uma fábrica de joias em Cotiporã, na Serra. Outros dois suspeitos morreram no local. Os demais envolvidos na ação conseguiram fugir levando como reféns um grupo de moradores dos arredores e uma quantia em dinheiro.

Segundo o capitão Juliano Amaral, da BM, Falcão era líder de uma quadrilha responsável por ataques a bancos e carros-fortes na região com o uso de explosivos. Por volta das 2h deste domingo, ele e mais 9 homens armados usaram explosivos para detonar a porta principal da fábrica de joias, localizada no Centro de Cotiporã. Com a chegada da polícia, houve perseguição e troca de tiros na saída da cidade. Além dos criminosos, dois policiais foram atingidos e levados ao hospital de Veranópolis.

Fonte: G1